Novo líder da Al-Qaeda na Arábia Saudita negocia rendição

O novo líder da rede terrorista Al-Qaeda na Arábia Saudita, Saleh al-Awfi, negocia para render-se às autoridades antes da meia-noite, quando expira o prazo de um mês dado pelo governo saudita aos terroristas que pretendem gozar de anistia e escapar da pena de morte.O clérigo Safar al-Hawali disse à imprensa que vem intermediando as negociações entre Al-Awfi e outros dois militantes da Al-Qaeda com membros do governo. Segundo o religioso, o príncipe herdeiro saudita, Abdala, recusou a proposta de prorrogar o prazo da anistia, que não se aplica aos envolvidos em crimes de sangue. Nesses casos, cabe às famílias das vítimas perdoar ou não os culpados.Al-Awfi teria ocupado o lugar de Abdel-Aziz al-Muqrin, morto em confronto com as forças de segurança sauditas no mês passado, e agora é o homem mais procurado pelas autoridades do país. Ele teria participado do tiroteio com a polícia na terça-feira à noite em Riad, no qual foram mortos dois militantes islâmicos.Apenas cinco acusados de terrorismo aceitaram a oferta de anistia, incluindo um militante que estava preso no Irã e outro que vivia exilado na Síria. O ministro do Interior saudita, príncipe Nayef bin Abdul-Aziz, expressou desapontamento, pois esperava que mais militantes se rendessem.

Agencia Estado,

22 de julho de 2004 | 18h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.