Novo líder da Al-Qaeda não é Bin Laden, afirma secretário de Defesa dos EUA

Ayman al-Zawahri não teria carisma e habilidades de Bin Laden, mas já é buscado pelos EUA

estadão.com.br,

16 de junho de 2011 | 18h54

WASHINGTON - Ayman al-Zawahri, o novo comandante da Al-Qaeda, não tem o mesmo carisma nem as habilidades de Osama Bin Laden como líder terrorista, disse nesta quinta-feira, 16, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates.

 

Gates, entretanto, afirmou que a nomeação do antigo número 2 da Al-Qaeda como sucessor de Bin Laden é um sinal de que o grupo terrorista segue ativo e, por isso, deve ser perseguido.

 

"Apesar de ter sofrido uma grande perda com o assassinato de Bin Laden e vários outros membros, a Al-Qaeda busca sobreviver, busca achar substitutos para aqueles que foram mortos e segue comprometida com a agenda que Bin Laden deixou", destacou Gates.

 

O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, almirante Mike Mullen, disse que a ascensão de Al-Zawahri não é uma surpresa e que o novo líder receberá a mesma atenção que os Estados Unidos deu a Bin Laden. Assim como buscamos e tivemos êxito em matar Bin Laden, faremos o mesmo com Al-Zawahri", acrescentou Mullen.

 

Perfil

 

Ayman al-Zawahiri nasceu no Cairo em 1951 e é cirurgião oftalmologista. Ele ajudou a fundar o grupo militante Jihad Islâmica Egípcia e foi um dos fundadores da Al-Qaeda.

 

Especialistas acreditam que ele foi o "cérebro operacional" por trás dos atentados de setembro de 2001.

 

Dentro da Al-Qaeda, ele vinha ocupava a posição de número dois, atrás somente de Bin Laden. Era também o segundo na lista de "terroristas mais procurados" pelo governo americano. Os Estados Unidos oferecem um prêmio de US$ 25 milhões por sua captura.

 

A mulher e os filhos de Al-Zawahiri teriam sido mortos em um ataque aéreo americano no fim de 2001.

 

Com AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.