Novo líder do Partido Comunista chinês enfatiza combate à corrupção

Além da corrupção, Xi Jinping disse que a desunião das pessoas será combatida em seu mandato

Patrícia Braga, Agência Estado

15 de novembro de 2012 | 13h27

PEQUIM  - O novo presidente do Partido Comunista Chinês, Xi Jinping, enfatizou as responsabilidades de sua liderança e a necessidade de vigilância contra a corrupção em um discurso desta quinta-feira, 15, após ter sido nomeado chefe do Partido Comunista.

"Estamos assumindo essa importante responsabilidade para essa nossa grande nação. Durante mais de 5 mil anos de evolução como civilização, a nação chinesa deu uma contribuição indelével para o progresso da civilização", afirmou Xi, de acordo com a transcrição de seu discurso liberada pela agência oficial de notícias Xinhua.

"Nos tempos modernos, entretanto, a China passou por incontáveis privações e sofrimentos, e sua sobrevivência paira no equilíbrio. Desde a sua fundação, o Partido Comunista Chinês fez grandes sacrifícios e esforços contra todas as adversidades."

Xi salientou a necessidade de combater a corrupção, um tema que também foi ressaltado pelo ex-chefe do partido, Hu Jintao, na semana passada.

"Nosso partido enfrenta muitos desafios severos, e também existem muitos problemas dentro do partido que precisam ser resolvidos, particularmente a corrupção e a desunião das pessoas", afirmou ele.

O líder também fez comentários sobre as aspirações básicas da população chinesa, dizendo que "ela quer que seus filhos tenham um crescimento saudável, tenham bons empregos e uma vida mais agradável."

Xi afirmou nesta quinta que introduziu como líder um novo Comitê do Politburo com sete membros, um grupo de homens que irão liderar o partido e a nação durante os próximos cinco anos. Ele afirmou também que está agora pronto para suceder Hu como presidente no próximo ano.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinacomunismopartidocorrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.