Novo líder ucraniano promete diálogo com Putin e retomar controle do leste

Putin e eu nos conhecemos muito bem, diz presidente eleito da Ucrânia, após vitória no 1º turno

O Estado de S. Paulo,

26 Maio 2014 | 09h01

Porochenko conversa com jornalistas em Kiev. Foto: David Mdzinarishvili / Reuters

 

KIEV - O presidente eleito da Ucrânia, Pedro Porochenko  prometeu nesta segunda-feira, 26,  restaurar o controle sobre o leste separatista com uma operação militar mais eficaz, e disse que iria se reunir com autoridades russas nas próximas semanas para garantir o empenho delas na resolução da crise.

Em entrevista coletiva, Poroshenko afirmou que sua tarefa mais urgente é o restabelecimento de uma convivência pacífica com a Rússia, cujas tensões com a Ucrânia aumentaram desde que o presidente pró-Moscou Viktor Yanukovich foi derrubado por uma revolta popular em fevereiro.

"Putin e eu nos conhecemos muito bem", disse Pedro Poroshenko em entrevista coletiva. O milionário  frisou que o encontro não deve se limitar a um "apertão de mãos".

De acordo com Porochenko,  a Rússia é o maior vizinho da Ucrânia e sem sua participação seria impossível parar a guerra e levar a paz ao leste do país. "Devem ser produzidos resultados, o povo do leste os está esperando. A Ucrânia já pagou um preço muito alto pela guerra", disse.

O presidente eleito salientou que apoia a continuação da operação militar realizada no sudeste de país, mas frisou que a ação deve ser mais efetiva, mais curta no tempo e com as unidades melhor aparelhadas.

"Os milicianos não têm interesse em falar com ninguém. Da mesma forma que os milicianos somalis, querem se manter na ilegalidade. É inadmissível. Os terroristas não representam ninguém, querem atemorizar todo o mundo, pois é sua única forma de sobreviver", criticou.

O governo russo disse estar pronto para o diálogo com Poroshenko, mas pediu um recuo das operações das Forças Armadas no leste, onde homens armados pró-Moscou declararam a independência em duas províncias.

Os ucranianos compareceram em massa às eleições de domingo e deram a vitória a Poroshenko, um bilionário dono de fábricas de chocolate e veterano na política, na esperança de que o empresário de 48 anos possa resgatar o país à beira da falência e guerra civil.

Após a contagem de cerca de metade dos votos, Poroshenko aparece com 53,7%, o bastante para garantir uma vitória em primeiro turno sobre os outros 21 candidatos. Sua adversária mais próxima, a ex-primeira-ministra Yulia Tymoshenko, conseguiu apenas 13,1% por cento dos votos até o momento, e deixou claro que vai aceitar o resultado. / EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.