Novo ministro da Defesa da Coreia do Sul será nomeado

Possível titular da pasta é general reformado e ocupava o cargo de assessor do presidente sul-coreano Lee Myung-bak

Efe

26 de novembro de 2010 | 05h14

SEUL - Apesar de ainda não ser oficial, o assessor de segurança nacional da Coreia do Sul, Lee Hee-won, será o novo ministro da Defesa do país, em substituição a Kim Tae-young, informou a imprensa local.

Lee é um general reformado que ocupa desde maio o cargo de assessor do presidente sul-coreano, Lee Myung-bak.

A Casa Presidencial sul-coreana informou que a nomeação de Lee como ministro ainda não foi realizada, apesar de a agência local Yonhap e outros veículos da imprensa sul-coreana terem veiculado a informação.

Kim Tae-young apresentou sua demissão nesta quinta-feira em meio a uma onda de críticas pela reação, considerada pouco contundente, ao ataque norte-coreano sobre a ilha de Yeonpyeong, que deixou quatro mortos - sendo dois civis - e 18 feridos.

Vários setores da oposição e do próprio Governo acusaram o agora ex-ministro de ter administrado sem muita firmeza o caso dos disparos de artilharia da Coreia do Norte.

Kim Tae-young já havia apresentado sua renúncia em março, após o afundamento da corveta sul-coreana Cheonan nas águas do Mar Amarelo por um torpedo norte-coreano, mas sua demissão não foi aceita na época.

O ataque da Coreia do Norte sobre a ilha de Yeonpyeong, no Mar Amarelo, disparou a tensão entre as duas nações vizinhas, que seguem tecnicamente em guerra, já que a Guerra da Coreia, entre 1950 e 1953, terminou com um armistício, e não com um tratado de paz.

Embora tenha chegado ao poder em fevereiro de 2008 com uma linha de mão dura em direção a Pyongyang, a Administração de Lee é alvo de crescentes críticas que o acusam de manter uma política frouxa diante das agressões do país comunista.

Nesta quinta-feira, o governo sul-coreano anunciou um importante reforço de sua defesa nas ilhas do Mar Amarelo, onde fica a instável fronteira - não reconhecida por Pyongyang - estabelecida após a Guerra da Coreia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.