Novo Parlamento iraquiano realiza primeira reunião

O novo Parlamento iraquiano, que substitui o anterior de caráter interino, celebrou nesta quinta-feira sua primeira reunião desde as eleições de dezembro, que durou cerca de 30 minutos para que os deputados assumissem o cargo. O sunita Adnán Pachachi, que presidiu a primeira sessão da Câmara por ser o deputado mais velho, anunciou o término da reunião "até que a próxima seja convocada", sem indicar datas, aparentemente, para dar tempo aos grupos políticos para a formação de um novo governo. A reunião foi aberta pelo presidente interino do Parlamento, o sunita Hachem al-Hassani, que classificou a eleição da nova Câmara, que já não tem caráter provisório, de quebra "histórica" no processo de transição no Iraque, e pediu aos grupos políticos que acelerem a formação do governo. A nova Câmara é composta por 275 cadeiras, das quais os grupos xiitas confessionais ocupam 128, seguidos pelos curdos, com 53 lugares, dos sunitas, com 44, e dos xiitas laicos, com 25. Os novos deputados juraram que protegerão a soberania e a independência do Iraque, suas águas, suas terras e suas riquezas, assim como seu sistema democrático federal. Al-Hassani condenou o terrorismo e a violência, e pediu aos diferentes grupos étnicos do Iraque que esqueçam suas divergências e se unam para "derrotar os inimigos do Iraque". Além disso, anunciou a dissolução do Parlamento interino, eleito em 30 de janeiro de 2005, e disse que a nova Câmara será presidida pelo sunita Pachachi. Uma das principais tarefas da nova Câmara será o debate sobre a formação de um novo gabinete, as eventuais emendas na Constituição permanente - aprovada em outubro - e a elaboração de leis que regulem as autoridades do Poder Executivo e o combate do terrorismo, assinalou Pachachi.

Agencia Estado,

16 Março 2006 | 09h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.