Japan News/Yomiuri
Japan News/Yomiuri

Novo premiê japonês oferece soluções tímidas para problemas complexos

Partido Liberal Democrata escolheu Fumio Kishida, um forte moderado, para substituir Yoshihide Suga

Motoko Rich, The New York Times, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2021 | 20h00

TÓQUIO - Com a população mais velha do mundo, nascimentos em declínio rápido, dívida pública gigantesca e desastres naturais cada vez mais prejudiciais causados ​​pela mudança climática, o Japão enfrenta desafios profundamente enraizados que o partido governante de longa data não conseguiu enfrentar.

Ainda assim, ao escolher um novo primeiro-ministro na quarta-feira, o Partido Liberal Democrata elegeu o candidato com menos probabilidade de oferecer soluções ousadas.

Os corretores de elite do partido escolheram Fumio Kishida, de 64 anos, um forte moderado, em um segundo turno para a liderança, parecendo ignorar a preferência do público por um desafiante independente. Ao fazer isso, eles ungiram um político com pouco para diferenciá-lo do impopular líder de partida, Yoshihide Suga, ou de seu antecessor, Shinzo Abe, o primeiro-ministro mais longevo do Japão.

Os anciãos do partido, que quase deteve o monopólio do poder desde a 2ª Guerra, fizeram sua escolha confiantes de que, com uma oposição política fraca e baixo comparecimento de eleitores, teriam poucas chances de perder uma eleição geral no final deste ano. Assim, em grande parte isolados da pressão do eleitorado, eles optaram por um previsível ex-ministro das Relações Exteriores que aprendeu a controlar qualquer impulso de se desviar da plataforma do partido dominante.

“Em certo sentido, você está ignorando a voz da base para conseguir alguém com quem os chefes do partido se sintam mais à vontade”, disse Jeff Kingston, diretor de estudos asiáticos da Temple University em Tóquio.

Mas escolher um líder que carece de apoio popular traz risco de enfraquecimento do partido e torna o trabalho de Kishida mais difícil, em um momento em que o país tenta se recuperar de seis meses de restrições pandêmicas que afetaram a economia.

Kishida precisará conquistar a confiança do público para mostrar que não é apenas um membro do partido, disse Kristi Govella, vice-diretora do Programa para a Ásia do German Marshall Fund dos Estados Unidos.

“Se os desafios começarem a surgir”, disse ela, “poderíamos ver seus índices de aprovação diminuírem muito rapidamente, porque ele está começando de um ponto de apoio relativamente modesto”.

Kishida foi um dos quatro candidatos que disputaram o posto de liderança em uma disputa anormalmente acirrada que resultou em um segundo turno entre ele e Taro Kono, um não-conformista declarado popular entre o público e os membros de base do partido. Kishida prevaleceu no segundo turno de votação, no qual as cédulas dos membros do Parlamento tiveram maior peso do que as dos outros membros do partido.

Ele se tornará primeiro-ministro quando o Parlamento realizar uma sessão especial na próxima semana, e então liderará o partido nas eleições gerais, que devem ser realizadas em novembro.

Em seu discurso de vitória na quarta-feira, Kishida reconheceu os desafios que enfrenta. “Temos montanhas de questões importantes pela frente”, disse ele.

As questões são tanto internas quanto externas. Kishida enfrenta tensões crescentes na região, à medida que a China se torna cada vez mais agressiva e a Coreia do Norte começa a testar mísseis balísticos novamente. Taiwan está tentando aderir a um pacto comercial multilateral que o Japão ajudou a negociar, e Kishida pode ter que ajudar a tomar uma decisão sobre como aceitar a ilha autônoma no grupo sem irritar a China.

Como ex-ministro das Relações Exteriores, Kishida pode ter mais facilidade para administrar sua carteira internacional. A maioria dos analistas espera que ele mantenha um forte relacionamento com os Estados Unidos e continue a construir alianças com a Austrália e a Índia para criar um baluarte contra a China.

Mas no front doméstico, ele está oferecendo principalmente uma continuação das políticas econômicas de Abe, que não conseguiram curar a estagnação do país. A desigualdade de renda está aumentando à medida que menos trabalhadores se beneficiam do alardeado sistema japonês de emprego vitalício - uma realidade refletida na promessa de campanha de Kishida de um "novo capitalismo" que incentiva as empresas a dividirem mais lucros com os trabalhadores de classe média.

“A dívida acumulada do Japão está crescendo e a lacuna entre ricos e pobres está crescendo”, disse Tsuneo Watanabe, pesquisador sênior da Sasakawa Peace Foundation em Tóquio. “Eu acho que mesmo um gênio não pode lidar com isso.”

Na pandemia, Kishida pode inicialmente escapar de algumas das pressões que derrubaram Suga, já que o lançamento da vacina ganhou ímpeto e quase 60% da população está agora inoculada. Mas Kishida ofereceu poucas políticas concretas para tratar de outras questões como envelhecimento, declínio populacional ou mudança climática.

Em um questionário de revista, ele disse que precisava de "verificação científica" de que as atividades humanas estavam causando o aquecimento global, dizendo: "Acho que até certo ponto é esse o caso."

Kishida tem reputação de ser mais pacífico do que a influente ala direita do partido, liderada por Abe, mas, durante a corrida pela liderança, expressou uma postura agressiva em relação à China. Como representante parlamentar de Hiroshima, ele se opôs às armas nucleares, mas deixou claro seu apoio à retomada das usinas nucleares do Japão, que estão paralisadas desde o colapso triplo em Fukushima, há dez anos.

E ele atenuou seu apoio à revisão de uma lei que exige que os casais compartilhem um sobrenome para fins legais e declarou que não endossaria o casamento do mesmo sexo, indo contra o sentimento público, mas acatando os pontos de vista da elite conservadora do partido.

“Acho que Kishida sabe como ele venceu, e não foi apelando para o público em geral, não foi concorrendo como um liberal, mas buscando apoio pela direita”, disse Tobias Harris, pesquisador sênior do Center for American Progress em Washington. “Isso ignifica que ele pode acabar sendo puxado em algumas direções diferentes.”

Em muitos aspectos, a eleição de quarta-feira representou um referendo sobre a influência duradoura de Abe, que renunciou no outono passado devido a problemas de saúde. Ele liderou o partido por oito anos consecutivos, um período notável, dada a alta rotatividade de premiês japoneses. Quando Abe deixou o cargo, o partido escolheu Suga, que havia servido como secretário-chefe de gabinete do ex-premiê, para estender o legado de seu chefe.

Mas, no ano passado, o público ficou cada vez mais desiludido com Suga, que carecia de carisma e não conseguiu se conectar com o eleitor médio. Embora Abe tenha apoiado Sanae Takaichi - uma conservadora linha-dura que buscava se tornar a primeira primeira-ministra do Japão - para revitalizar sua base na extrema direita do partido, analistas e outros legisladores disseram que ele ajudou a obter apoio a Kishida no segundo turno.

Como resultado, Kishida pode acabar em dívida com seu predecessor.

“Kishida não pode ir contra o que Abe deseja”, disse Shigeru Ishiba, um ex-ministro da Defesa que desafiou Abe pela liderança do partido duas vezes e se retirou da disputa este mês para apoiar Kono.

“Não tenho certeza se usaria a palavra‘ fantoche', mas talvez ele seja um?”, Ishiba acrescentou. “O que está claro é que ele depende da influência de Abe.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.