Novo presidente da Venezuela é empresário e liderou greve geral

O empresário Pedro Carmona abandonou no final de novembro o estilo conciliador, assumiu uma enérgica postura e liderou a greve geral que, repetida agora em abril, acabou precipitando a queda do ex-presidente venezuelano Hugo Chávez. Carmona, que assumiu nesta sexta-feira o governo de transição, é um economista de 60 anos, com pós-graduação em relações internacionais pela Universidade Livre de Bruxelas.Até quinta-feira, esteve à frente da Federação de Câmaras da Venezuela (Fedecámaras). Carmona é conhecido no país como um homem de diálogo. Sua condição de mediador lhe valeu o consenso necessário para assumir a direção da maior organização empresarial do país em um momento em que as relações entre a Fedecámaras e o governo de Chávez eram conflituosas. Suas tentativas para restabelecer as relações entre os empresários e o ex-mandatário se dissolveram em novembro passado, quando o governo aprovou um pacote de 49 leis sem consultar nenhum setor.O atual chefe do governo provisório desenvolveu grande parte da carreira profissional entre organismos financeiros internacionais e a indústria petroquímica privada. Carmona foi integrante da junta do Acordo de Cartagena e representante da Venezuela na Corporação Andina de Fomento (CAF) e o Sistema Econômico Latino-Americano (SELA).A ele coube representar a Venezuela como presidente do Conselho Consultivo Empresarial Andino entre 2000 e 2001. Também foi assessor de política econômica da chancelaria venezuelana e delegado especial na União Européia (UE) em Bruxelas e a Associação Latino-Americana de Livre Comércio (ALALC) em Montevidéu.No fim dos anos 80, Carmona passou para o setor privado e entrou para a empresa petroquímica Venoco, em cuja direção ocupou importantes cargos. Entre 1988 e 1989, foi presidente da Câmara de Comércio e Integração Venezuelano-Colombiana, e de 1995 a 1997 dirigiu a Confederação Venezuelana de Industriais, de onde passou para vários postos dirigentes na Fedecámaras. Carmona é casado há 27 anos com Gladys Carmona e só tem um filho. Seu hobby é pilotar o próprio avião.Leia tudo sobre a crise na Venezuela

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.