Novo presidente sul-africano deve ser escolhido nesta segunda

Partido que governa o país exige renúncia do chefe de Estado, Thabo Mbeki, e vai eleger outro representante

AE,

21 de setembro de 2008 | 14h39

O partido Congresso Nacional da África do Sul (ANC, na sigla em inglês), que governa o país, vai escolher nesta segunda, 22, um novo presidente para a nação, após o atual, Thabo Mbeki, ter aceitado um pedido do próprio ANC para renunciar ao cargo, disse o tesoureiro geral do partido, Mathews Phosa.  Veja também:Decisão de Mbeki de renunciar preocupa sul-africanos O governo convocou uma reunião emergencial neste domingo, 21, para limitar o impacto político e econômico da iminente queda de Mbeki. Ele e o presidente do ANC, Jacob Zuma, que arquitetou a saída do chefe de Estado, deverão falar à televisão logo após o fim do encontro de gabinete.  Mbeki perdeu a batalha final no sábado, 20, depois de uma longa disputa com Zuma, e concordou com a determinação do comitê executivo do ANC em pedir demissão do cargo antes do final de seu segundo mandato.  Não está claro ainda quantos ministros vão renunciar em solidariedade a Mbeki. O de Finanças, Trevor Manuel, considerado chave para a confiança dos investidores no país, deve ficar.  O parlamento prevê uma reunião nos próximos dias para escolher um presidente interino antes das eleições, marcadas para 2009. O mais cotado para assumir a função é a porta-voz da Assembléia Nacional, Baleka Mbete.  O presidente Mbeki ficou sob pressão de seu partido para renunciar depois de uma decisão judicial, na semana passada, de que pode ter algum envolvimento em acusações de corrupção contra Zuma. Mbeki nega.  O chefe de Estado sul-africano demitiu Zuma do cargo de vice-presidente em 2005, depois de o consultor financeiro do atual presidente do ANC ter sido condenado por levantar propina para arquivar investigações sobre um acordo de armas.  As acusações iniciais contra Zuma foram retiradas, mas a promotoria do país disse que há evidências suficientes para que novas acusações sejam levantadas. As informações são das agências Dow Jones e Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.