Novo sistema de proteção nos carros pode evitar traumas

Instalar pequenas placas de metal sob os assentos do carro pode reduzir as lesões na coluna cervical, causadas por colisões na traseira, segundo um estudo sueco divulgado hoje. Essas lesões são as mais comuns em acidentes automobilísticos, provocadas quando músculos, ligamentos e nervos do pescoço e cabeça sofrem um solavanco repentino.A nova tecnologia consiste numa placa de metal com sulcos que é instalada entre os trilhos dos assentos dianteiros e os próprios assentos. Quando o veículo recebe uma batida traseira, os sulcos abrem-se gradualmente, absorvendo o impacto. Isto reduz o movimento dos assentos, o que para o motorista ou passageiro significará menos solavancos que afetam costas e pescoço.Diferente de outros sistemas menos efetivos, este pode ser instalado em carros usados, diz Claes Tingvall, diretor de segurança no trânsito da Administração Nacional de Vias da Suécia.?Este projeto mostra que seria possível solucionar esse problema com simplicidade, mesmo em carros mais antigos?, ele disse.Anders Kullgren, chefe de pesquisas da companhia de seguros sueca Folksam, que desenvolveu o sistema com a empresa de segurança automotiva americana Autoliv, assegurou que testes de laboratório e de campo indicaram que o sistema pode reduzir o risco de lesões pela metade.Como parte do teste, as placas de metal foram instaladas, em 2001, em 8.000 Toyotas Corollas, anos 1993 a 1997. Pelo menos 58 deles estiveram envolvidos em colisões traseiras.Embora o sistema ainda esteja em estágio de pesquisa, os resultados são tão encorajadores que as empresas envolvidas querem que seja aplicado o mais breve possível. Lesões da coluna cervical respondem por mais de metade de todas as cobranças de seguro em vários países, diz Kullgren. Os pesquisadores calculam que o sistema deverá custar cerca de US$ 138 (R$ 408,00), dinheiro que seria recuperado com redução nos custos de sofrer um traumatismo dessa espécie. Segundo Kullgren, ?o custo-benefício é grande?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.