Narendra Shrestha/EFE
Narendra Shrestha/EFE

Novo terremoto no Nepal deixa mortos na China e na Índia

Tremor de 7,3 graus teve seu epicentro perto da fronteira chinesa e foi seguido de oito réplicas

O Estado de S. Paulo

12 de maio de 2015 | 09h43

PEQUIM - O novo terremoto que atingiu o Nepal nesta terça-feira, 12, também foi sentido na China e na Índia e deixou mortos nos dois países.

Uma pessoa morreu e duas ficaram feridas na região do Tibete, de acordo com a emissora chinesa estatal CFTV. O tremor causou deslizamentos de terra que afetaram os moradores do condado de Gyirong, no sudoeste da região e na fronteira com o Nepal.


Esse condado e o de Nyalam haviam sido muito afetados pelo terremoto do dia 25 no Nepal, que teve magnitude de 7,8 graus. Na ocasião, 25 pessoas morreram no Tibete.

Na Índia, segundo o governo, 17 pessoas morreram, sendo 16 no Estado de Bihar. Outras 20 pessoas ficaram feridas. Uma pessoa morreu no Estado de Uttar Pradesh.

O primeiro-secretário do Departamento de Gestão de Desastres de Bihar, Vyas Ji Mishra, afirmou que todas as vítimas morreram em desmoronamentos em zonas rurais e, apesar de não descartar que o número de mortos possa aumentar, informou que "não foram muitos" os edifícios da região que caíram após o terremoto.

O novo terremoto no Nepal também foi sentido em outros Estados do norte da Índia, incluindo Nova Délhi, onde o chão tremeu por 30 segundos.

Desastres. O Nepal ainda tentava se recuperar do terremoto de abril, que matou cerca de 8 mil pessoas e deixou cerca de 17,8 mil feridos e milhares de casas danificadas.

As autoridades chinesas calculam que em razão do terremoto de abril 300 mil tibetanos ficaram desabrigados na região, que abrange toda a fronteira do gigante asiático com o Nepal.

O terremoto do dia 25 de abril foi o de maior magnitude no Nepal em 80 anos e o pior na região do Himalaia em uma década, desde que em 2005 outro tremor causou mais de 84 mil mortes na Caxemira. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.