Novo tufão se aproxima da costa leste das Filipinas

Nova tormenta pode ser mais poderosa que o Ketsana e deve chegar ao arquipélago na sexta

Efe,

01 de outubro de 2009 | 12h16

Enchentes causadas pelo Ketsana foram as piores em 40 anos nas Filipinas. Foto: Associated Press  

 

MANILA - Um novo tufão com ventos de 195 km/h no núcleo e acompanhado de fortes chuvas se aproxima da costa leste das Filipinas, menos de uma semana após o Ketsana causar a morte de 277 pessoas e deixar 2,5 milhões de desabrigados.

 

O diretor do departamento meteorológico da agência Serviços Atmosférico, Geofísico e Astronômico das Filipinas (Pagasa), Nathaniel Cruz, disse nesta quinta-feira, 1º, que o tufão Parma ganhou força com rajadas de até 230 km/h e avança a uma velocidade de 24 km/h. A esse ritmo, a região central das Filipinas sentirá amanhã a influência de Pepeng, seu nome local.

 

O Pagasa elevou o alerta nas regiões leste do arquipélago filipino onde o tufão atingirá terra. Segundo Cruz, o Parma é muito mais poderoso que o Ketsana, que entrou nas Filipinas com ventos de 85 km/h, mas lembrou que foram as chuvas que causaram mais dano no fim de semana passado, ao causar as piores inundações em Manila nos últimos 40 anos.

 

"Nossa maior preocupação com Pepeng (Parma) são seus ventos, e esperamos que ainda ganhe mais força em seu avanço para (a ilha de) Luzon", disse Cruz. Neste momento, as áreas mais vulneráveis são Manila e as 25 províncias ainda sob estado de catástrofe declarado após a passagem do "Ketsana", e onde os centros de amparo não conseguem acolher os quase 750 mil desabrigados.

 

As autoridades temem que mais chuvas transbordem novamente o sistema de esgotos da capital e agravem as inundações que ainda persistem.

 

Ketsana

 

O número total de mortos causados pelo Ketsana nos três países pelos quais passou - Filipinas, Camboja e Vietnã - foi 340 mortos. Na manhã desta quinta-feira, o tufão entrou no território do Laos, mas centrais de meteorologia que monitoram a tormenta preveem que os estragos no quarto país do Sudeste Asiático atingido pelo ciclone deverão ser menores, já que o Ketsana está rapidamente perdendo força.

 

"Espera-se que o sistema se dissipe completamente nas próximas 12 horas enquanto continua sua trajetória para oeste", afirmou, em comunicado, o Centro Conjunto de Alerta contra Tufões. Um funcionário do governo vietnamita havia confirmado que o tufão "chegou enfraquecido pela manhã na fronteira do Vietnã com o Laos".

 

Plano de emergência

 

Mas as previsões otimistas não foram capazes de levar à suspensão dos planos de auxílio ao Laos elaborados por governos da região e por grupos internacionais. A agência de ajuda humanitária World Vision não descarta a possibilidade de que, mesmo debilitado, o Ketsana cause destruição no Laos.

 

Segundo funcionários da agência, grupos internacionais estão se preparando para prestar auxílio aos laosianos atingidos pelo ciclone. Mas a tarefa não é fácil. Pobre e quase totalmente rural, o Laos praticamente não dispõe de infraestrutura de transporte.

 

Com informações de O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.