Novo vazamento derrama água radioativa no mar de Fukushima

Concentração de césio-134 e césio-137 22 estão superiores ao limite legal; fluxo do líquido já foi controlado

EFE

12 de maio de 2011 | 01h23

TÓQUIO - A Tokyo Electric Power Company (Tepco), operadora da central nuclear de Fukushima Daiichi, detectou, na quarta-feira, 11, um vazamento de água altamente radioativa para o mar. A situação foi controlada horas depois.

 

Na água do mar, na região da central, foi detectada concentração de césio-134 32 mil vezes além do permitido, enquanto os níveis de césio-137 estão 22 mil vezes superiores ao limite legal.

 

Os técnicos da usina, onde teve início uma crise nuclear após o terremoto e tsunami de 11 de março, detectaram que um encanamento próximo ao reator 3 derramava água em uma fossa, que por sua vez vazava ao mar, segundo a emissora "NHK".

 

Na fossa em questão, o nível de césio-134 na água era 620 mil vezes superior ao permitido, e o de césio-137, 430 mil.

 

Acredita-se que o vazamento possa proceder de áreas alagadas do edifício de turbinas do reator 3, onde o nível de água registrou queda desde terça-feira.

 

A Tepco interrompeu o vazamento de água na noite desta quarta-feira, após bloquear o encanamento e cobrir a fossa com concreto e outros materiais.

 

Aparentemente, algumas substâncias radioativas passaram através das barreiras colocadas no mar junto à central para evitar que os vazamentos se estendessem. Por isso, desta vez, pode ser maior a área contaminada no Oceano Pacífico, segundo a Tepco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.