Novo vazamento em poço é insignificante, dizem EUA

O petróleo do poço da British Petroleum (BP) no Golfo do México está vazando de novo, mas, desta vez mais lentamente. Além disso, os cientistas não estão convencidos de que a cúpula de contenção que interrompeu o fluxo de óleo na semana passada esteja piorando as coisas. Ontem, o governo norte-americano anunciou que o óleo continuava a vazar após dias de advertências de que a cúpula experimental poderia resultar em mais vazamentos.

AE-AP, Agência Estado

20 de julho de 2010 | 11h14

Apesar do aparente retrocesso, o governo dos Estados Unidos declarou o vazamento insignificante e avança com o plano da BP de finalmente fechar o poço no fundo do mar. Desde que a cúpula foi instalada na semana passada, os engenheiros fazem observações com câmeras submarinas, acompanham a pressão interna da cúpula e as atividades sísmicas da região para determinar se o poço está contido ou se vai provocar um novo vazamento, talvez um que possa causar uma ruptura no fundo do mar e tornar o desastre ainda pior.

Pequenas quantidades de petróleo e gás começaram a sair da cúpula na noite de domingo, mas "não acreditamos que tenha grandes consequências por ora", disse o almirante da reserva da Guarda Costeira, Thad Allen, o responsável federal pela resposta ao acidente.

Pequenos vazamentos foram detectados no fundo do mar no final de semana a menos de três quilômetros do poço, mas Allen afirmou que provavelmente eles não têm nada a ver com o poço. No Golfo do México é comum que fissuras no fundo do mar soltem petróleo e gás. Desde a instalação da cúpula, na quinta-feira, frequentadores das praias da região relatam que há menos petróleo chegando à costa.

Tudo o que sabemos sobre:
ambientepetróleoBPvazamentoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.