Novo vazamento industrial contamina com cádmio um rio chinês

Acidente em uma fábrica que operava sem permissão provocou um vazamento de cádmio, altamente tóxico ecancerígeno, num afluente do rio Yangtsé na província central de Hunan. Esse foi o terceiro acidente ambiental nos últimos três meses."O derramamento foi causado por operações incorretas em uma fábrica de depuração de sedimentos no Porto (fluvial) de Xiawan", informou Jiang Yimin, diretor do Escritório de Proteção Ambiental deHunan, citado pela agência oficial Xinhua.O vazamento de cádmio ameaça o abastecimento de água potável da cidade de Xiangtan e de Changsha, capital de Hunan, segundo o Escritório.O acidente aconteceu em 4 de janeiro, mas a agência oficial só informou sobre ele nesta madrugada. O vazamento fez com que dois lagos da fábrica, que armazenam resíduos de cádmio, transbordassem, por isso o elemento chegou ao rio Xiangjiang, um afluente do Yangtsé, o rio mais longo da Ásia.A planta Zhuzhou Water Conservancy Investment Co Ltd iniciou o projeto de depuração de sedimentos no Porto de Xiawan, sem permissão dos departamentos do meio ambiente, em 23 de dezembro.Trata-se do terceiro derramamento industrial que contamina um rio chinês nos últimos três meses, depois que em 13 de novembro uma explosão em uma fábrica petroquímica estatal na província nordeste de Jilin provocou um vazamento de benzeno e nitrobenzeno que chegou a território russo através do rio Songhua (Amur).As autoridades chinesas destinarão US$ 3,3 bilhões nos próximos cinco anos para prevenir novos vazamentos no Songhua e contribuir para a depuração de suas águas.Segundo o jornal South China Morning Post, o projeto pretende assegurar que 90% dos moradores da área recebam água potável limpa em 2010.Em 15 de dezembro outro acidente industrial produziu um novo vazamento, desta vez de cádmio, nas águas do rio Beijiang, na província de Cantão. 70% das reservas de água doce da China estão contaminadas, enquanto que 35% do litoral do país asiático registra também altosníveis de poluição, o que produz um alto índice de doenças e câncer entre os moradores afetados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.