Novos ataques de Israel em Gaza deixam 10 mortos, dizem médicos

Governo israelense negou responsabilidade e afirmou que ataques resultaram de erro em lançamento de foguete pelo Hamas

O Estado de S. Paulo

28 Julho 2014 | 14h35

GAZA - Uma explosão em um jardim público em um campo de refugiados em Gaza matou dez pessoas, sendo oito crianças, e feriu outras 40, disseram médicos palestinos nesta segunda-feira, 28.

Os moradores atribuíram a explosão a um ataque aéreo israelense, mas Israel negou responsabilidade e afirmou que se tratou de uma falha num foguete lançado pelos militantes do grupo Hamas. Os passageiros de um carro que passava pelo local também foram atingidos.

Outra explosão abalou o hospital de Shifa, o principal de Gaza, sem causar vítimas. Segundo a agência Efe, o ataque deixou pelo menos três mortos e dezenas de feridos. Israel, que anteriormente acusou os militantes do Hamas de se esconderem no hospital, novamente atribuiu o fato a um erro no disparo de um foguete.

"Nós saíamos da mesquita quando vimos as crianças brincando com seus brinquedos. Segundos depois, o foguete caiu", disse Munther Al-Derbi, morador do campo. "Que Deus puna Netanyahu", disse ele, referindo-se ao primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu.

Israel e os militantes palestinos em Gaza estão há três meses envolvidos em confrontos. Desde o início da operação israelense em Gaza, 1.049 palestinos morreram, a maioria delas civis. Morreram também 43 soldados e três civis israelenses atingidos por foguetes e projéteis de morteiro disparados pelo Hamas.

O Exército israelense disse estar investigando as informações vindas da Faixa de Gaza. Os ataques ocorreram quando expirou o cessar-fogo humanitário de 24 horas estipulado domingo.

Um ataque feito com morteiros a partir da Faixa de Gaza matou quatro pessoas no sul de Israel, disseram autoridades médicas israelenses. O diretor do ambulatório Magen David Adom disse a uma rádio do Exército que várias pessoas ficaram feridas no ataque e foram levadas a hospitais. /AP, EFE e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Israel Faixa de Gaza palestinos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.