Reuters
Reuters

Novos disparos são ouvidos em shopping de Nairóbi, segundo governo do Quênia

Westgate foi alvo de um ataque do grupo Al Shabab no último sábado; polícia informou sobre a detenção de mais de dez suspeitos relacionados com o atentado, que já matou ao menos 62 pessoas

Efe,

24 de setembro de 2013 | 09h01

Novos disparos ocorreram nesta terça-feira, 24, no lado externo do centro comercial de Nairóbi, que foi alvo de um ataque do grupo fundamentalista Al Shabab no último sábado, e que a polícia queniana garantiu estar sob controle.

 

Um breve tiroteio aconteceu durante o amanhecer, em torno das 6h30 locais (0h30 de Brasília), e três horas mais tarde foram ouvidos novos disparos nos arredores do shopping "Westgate".

 

A atividade policial interrompeu uma noite que tinha transcorrido com calma, após o dia de ontem, quando ocorreram várias explosões e um grande incêndio no interior do centro comercial.

Até o momento não foram divulgadas informações oficiais sobre a situação no interior do edifício, onde, no final da noite de ontem, a polícia não sabia precisar o número de reféns nem de terroristas que permaneciam no interior.

 

A polícia informou sobre a detenção de mais de dez suspeitos relacionados com o atentado terrorista, no qual até então morreram pelo menos 62 pessoas e outras 180 ficaram feridas.

Um pronunciamento do presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, foi anunciado para hoje durante a manhã, mas seis horas depois ainda não se sabe quando ele vai fazê-lo.

 

Os helicópteros voltaram a sobrevoar o perímetro do shopping center ao longo da manhã e o Exército informou, através do Twitter, que continua sua operação para "neutralizar a ameaça terrorista" e fazer um pente-fino no interior do edifício.

 

"O Exército do Quênia continua garantindo a segurança no edifício do Westgate. Uma declaração oficial sobre a situação da operação será feita mais tarde", afirmou na rede social.

A polícia, por outro lado, pediu que se "ignore a propaganda do inimigo", em alusão a algumas mensagens supostamente publicadas no Twitter pelo Al Shabab.

 

"O Westgate está sob o total controle das forças governamentais e estamos fazendo um pente-fino na área para garantir que a segurança para todo mundo", acrescentou.

 

Segundo os últimos dados divulgados pela Cruz Vermelha, também há cerca de 60 desaparecidos com os quais não foi possível o contato desde o início do atentado.

 

Durante os três últimos dias, as forças de segurança e os corpos de voluntários conseguiram retirar mil pessoas do Westgate, um dos shoppings mais luxuosos da cidade e frequentado por estrangeiros e quenianos de classe alta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.