Novos líderes sauditas e nova política externa

Respaldada pela monarquia, nova geração dá sinais de que mudança no reino terá desdobramentos geopolíticos de longo alcance

NAWAF, OBAID, THE WASHINGTON POST, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2015 | 02h03

Apenas dois meses depois do falecimento do rei Abdullah, a ampla intervenção da Arábia Saudita no Iêmen lançada na quinta-feira serve de alerta ao mundo: uma importante mudança geracional em curso no reino certamente terá desdobramentos geopolíticos de longo alcance.

A nova liderança saudita - centrada num quadro de figuras da realeza e tecnocratas jovens e dinâmicos - está desenvolvendo uma doutrina de política externa capaz de fazer frente a antigas tensões regionais.

Essa doutrina tem como base a legitimidade da monarquia saudita e a centralidade do reino para o mundo muçulmano. Como guardiã das cidades sagradas de Meca e Medina, a Arábia Saudita está numa posição única para se colocar acima das disputas da última década e começar a estreitar as diferenças consideráveis que dividem as principais nações sunitas.

Com quase 90% dos muçulmanos se identificando como sunitas, e a Arábia Saudita no epicentro do mundo sunita, os sauditas acreditam que podem suprir a urgente necessidade de uma frente sunita unida contra o Irã xiita e também os movimentos terroristas que estão dilacerando o mundo árabe.

O rei Salman, sucessor de Abdullah, herdou uma situação desastrosa na região. Com o governo Barack Obama abandonando responsabilidades históricas dos EUA e, por extensão, a maior parte de seu prestígio no Oriente Médio, os sauditas não tiveram escolha senão liderar de modo mais enérgico, mais coerente e mais sustentável. Este manto se assenta na base religiosa conservadora do reino e sua herança tribal árabe única. Mais concretamente, ela é respaldada por US$ 150 bilhões em gastos para modernizar as forças militares sauditas para permitir que enfrentem inimigos simultaneamente em dois fronts, eliminando a necessidade de depender de ajuda estrangeira para defender a pátria.

Intermediação. A nova doutrina dos sauditas retorna à política externa do reino dos anos 70 e 80. Na época, os sauditas trabalharam incansavelmente para pôr fim a 15 anos de uma guerra civil sangrenta no Líbano, conseguindo o Acordo de Taif, de 1989, que estabeleceu relações especiais entre Líbano e Síria e criou um sistema político que garantiu uma divisão de poderes entre denominações religiosas. É de esperar que os sauditas procurem promover pactos igualmente inclusivos e de longo alcance como soluções para o caos reinante na Síria e noutros pontos quentes da região.

A liderança saudita enfrenta alguns problemas, mas a maioria deles decorre da agressividade iraniana. No Iêmen, o golpe dos combatentes do grupo Houthi apoiados pelos iranianos que derrubou o governo central retirou pressão sobre a Al-Qaeda na Península Arábica e produziu anarquia, com a possibilidade crescente de uma guerra civil. Na Síria, os esforços do regime de Bashar Assad para reter o poder, respaldados também pelo Irã, brutalizaram a população e insuflaram vida no grupo jihadista Estado Islâmico.

No Iraque, sucessivos governos centrais sustentados por milícias xiitas controladas pelos iranianos destruíram qualquer semelhança com cidadania e criaram as condições que permitiram que o Estado Islâmico se apoderasse de vastas porções do território. No Líbano, o movimento Hezbollah, uma criação iraniana, reina soberano num país que mal consegue se manter unido. Um Hamas apoiado por Teerã mantém o controle da Faixa de Gaza enquanto uma solução do conflito entre israelenses e palestinos continua sendo uma possibilidade remota.

Os sauditas e seus principais aliados sunitas sabem que somente um bloco unificado de Estados que pensem igual pode conter o Irã. Com esse intuito, os sauditas já começaram a contatar a maioria dos maiores Estados sunitas - sendo os principais deles Turquia, Egito e Paquistão - para dar início ao complexo processo de reconciliação.

Finalmente, há as negociações nucleares iranianas que os sauditas estão observando atentamente. A Arábia Saudita simplesmente não pode permitir que o Irã, sob quaisquer circunstâncias, use seu "quase status" de potência nuclear para expandir sua influência e prestígio na região. Conformar-se com um chamado "guarda-chuva nuclear" americano é impensável para Riad. Seja qual for o acordo que os iranianos obtenham, os sauditas buscarão um programa equivalente para alcançar a paridade nuclear.

Embora esta lista de problemas pareça desanimadora, uma nova era desponta no Oriente Médio. Apesar de toda a dura retórica que vem de seus líderes, o Irã está sofrendo sérias pressões em razão das sanções das Nações Unidas e do colapso dos preços do petróleo que poderão ter consequências perigosas para a estabilidade do Estado iraniano.

A doutrina saudita tem como premissa reforçar estas realidades geoeconômicas enquanto pressiona a enfraquecida capacidade do Irã de projetar poder no exterior até as raias da ruptura./ TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

É PESQUISADOR E PROFESSOR ADJUNTO NO BELFER CENTER FOR SCIENCE AND INTERNATIONAL AFFAIRS, DA

UNIVERSIDADE HARVARD, E. FOI

CONSULTOR DE VÁRIAS AUTORIDADES

DO GOVERNO SAUDITA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.