Novos ministros tomam posse no Paquistão

O presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari, tomou hoje o juramento de novos ministros do gabinete, na primeira parte de uma reformulação no governo. A intenção das mudanças é reduzir o tamanho da equipe e cortar gastos públicos.

AE, Agência Estado

11 de fevereiro de 2011 | 10h50

Lutando com enchentes sem precedentes ocorridas no ano passado, que causaram prejuízos estimados em US$ 9,7 bilhões, o governo está sob intensa pressão internacional para introduzir reformas econômicas e atingir as metas combinadas com o Fundo Monetário Internacional (FMI), em 2008, quando o Paquistão recebeu um pacote de ajuda.

Os ministros comprometeram-se a agir "honestamente" nos cargos e respeitar a Constituição. A maioria é do Partido do Povo do Paquistão (PPP), o mesmo de Zardari. Funcionários do governo disseram que os ministros de outros partidos devem assumir posteriormente. Uma redução do tamanho do gabinete está prevista na Constituição, segundo a qual o gabinete não pode ultrapassar 11% do tamanho do Parlamento. Atualmente, isso representa no máximo 49 membros na equipe de governo. No gabinete que renunciou na quarta-feira, havia mais de 50 ministros. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãopolíticaministros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.