Novos protestos reúnem 5 mil kosovares sérvios em Mitrovica

Por considerarem independência de Kosovo 'ilegal', kosovares sérvios continuam a protestar

Lourival Sant’Anna, de O Estado de S. Paulo,

22 de fevereiro de 2008 | 18h56

Eram 12h44 quando o hino nacional da Sérvia começou a tocar, despertando fortes sentimentos nos cerca de 5 mil kosovares sérvios que se reuniram nesta sexta-feira, 23, em Mitrovica, no noroeste de Kosovo, para protestar contra a independência da ex-província sérvia, proclamada no domingo. Se os albaneses são minoria na Sérvia, os sérvios são minoria no novo país criado pelos albaneses - e não se conformam com essa condição.   Veja também: Ouça o relato do enviado Lourival Sant'Anna Kosovo faz o mundo pisar em ovos  Entenda o que está em jogo em Kosovo Mapa: a disputa dos Bálcãs  Veja lista de países que reconhecem a independência do Kosovo  Vídeo de sérvias saqueando Belgrado é sucesso na internet    Desde a proclamação da independência pelo Parlamento de Kosovo, no domingo, os sérvios do norte de Mitrovica - separados pelo Rio Ibar dos albaneses que vivem ao sul da cidade - se reúnem nesse mesmo horário. O número é uma referência à resolução 1244 do Conselho de Segurança da ONU, que em 1999 assegurou a "integridade territorial" da Sérvia, com "autonomia substancial para Kosovo", ao criar uma missão das Nações Unidas (Unmik) no território.   Com base nela, os kosovares sérvios consideram "ilegal" a independência de Kosovo, proclamada pela maioria albanesa e reconhecida pelos Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Alemanha, Itália e Turquia, entre outros.   "Kosovo é Sérvia e nunca nos renderemos, apesar da chantagem da União Européia", discursou Dragan Deletic, representante do governo sérvio, que não reconhece a independência, assim como a Rússia, tradicional aliada do país.   Veja esta reportagem na íntegra na edição deste sábado, 23, de 'O Estado de S. Paulo'.

Tudo o que sabemos sobre:
KosovoSérvia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.