NSA hackeou empresa chinesa de comunicação

Documentos secretos revelam espionagem de executivos e plano da agência para monitorar clientes da Huawei

WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2014 | 02h09

Ao mesmo tempo que os EUA alertavam publicamente sobre o perigo de comprar produtos da Huawei, gigante do setor de telecomunicações da China, documentos secretos indicam que a Agência de Segurança Nacional (NSA, em inglês) vinha criando portas de acesso direto às redes da companhia.

A NSA penetrou nos servidores na sede da Huawei em Shenzhen, conforme mostram documentos divulgados pelo ex-técnico da agência Edward Snowden. Os americanos obtiveram informações sobre os roteadores e switches da companhia chinesa e monitoraram executivos do alto escalão.

Um dos objetivos da operação, que foi chamada de "Shotgiant" era conhecer os vínculos entre a Huawei e o Exército chinês, segundo um documento de 2010. Mas os planos da NSA eram mais amplos: explorar a tecnologia da Huawei de modo que, quando a empresa vendesse equipamento para outros países - incluindo aliados e nações que não compram produtos americanos - a agência pudesse vasculhar computadores e redes de telefonia para espionar e até fazer ofensivas virtuais.

"Muitos dos nossos alvos se comunicam usando produtos fabricados pela Huawei", descreve o documento da NSA. "Queremos saber como explorar esses produtos para termos acesso a redes de interesse".

Os documentos foram divulgados no sábado pelo The New York Times e pela Der Spiegel e fazem parte de um livro publicado pela revista alemã com o título The NSA Complex (O complexo da NSA, em tradução livre).

A Huawei, que perdeu as esperanças de entrar no mercado americano, queixa-se ser vítima de protecionismo disfarçado em preocupações com a segurança interna dos EUA "A ironia é que o que estão fazendo é exatamente o que sempre acusaram os chineses de fazerem por meio do nosso trabalho", afirmou William Plummer, executivo da empresa no EUA. / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.