NSA 'invadiu' centros de dados de Yahoo e Google, diz jornal

Gravações feitas pela agência americana incluem informações sobre quem enviou ou recebebeu e-mails

AE, Agência Estado

30 de outubro de 2013 | 17h44

A Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA, em inglês) invadiu os principais links de comunicação que ligam os centros de dados de Yahoo e Google em todo o mundo, afirmou nesta quarta-feira, 30, o jornal The Washington Post. A denúncia cita documentos obtidos pelo ex-técnico da CIA Edward Snowden e entrevistas com funcionários.

De acordo com os dados secretos de 30 de janeiro deste ano, a NSA enviou todos os dias milhões de gravações a partir de redes internas das duas empresas para a agência de armazenagem de dados em Fort Mead, Maryland, sede da NSA.

Nos últimos 30 dias, coletores de campo tinham processado e enviado mais de 180 milhões novas gravações de metadados, incluindo quando e quem enviou ou recebeu e-mails, textos, áudios e vídeos.

O Google disse que estava preocupado com as suspeitas de que o governo teria interceptado o tráfego de dados da empresa, mas não tinha conhecimento da invasão. No Yahoo, um porta-voz disse: "Temos controles rigorosos para proteger a segurança de nossos centros de dados e não damos acesso a nossos bancos de dados à NSA ou a qualquer outro órgão do governo".

Funcionários da Casa Branca e do Escritório do Diretor de Inteligência Nacional, que supervisiona a NSA, se recusaram a comentar a denúncia.

O projeto MUSCULAR é o principal instrumento para explorar as ligações de dados da NSA, operado em conjunto com a agência britânica GCHQ.

Segundo o Washington Post, as duas agências estão copiando os fluxos de dados por meio de cabos de fibra óptica que transmitem as informações entre os centros de dados das gigantes do Vale do Silício./ AP

Tudo o que sabemos sobre:
EUAespionagemNSA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.