NSA superou programas de criptografia, dizem jornais

A Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, em conjunto com o governo britânico, tem superado tecnologias de criptografia nas quais bilhões de usuários de internet confiam para manter suas mensagem eletrônicas e dados confidenciais a salvo de olhares indiscretos, segundo publicaram nesta sexta-feira o jornal britânico The Guardian, o norte-americano The New York Times e o site ProPublica.

Agência Estado

06 Setembro 2013 | 09h41

A NSA transpôs ou quebrou completamente boa parte da criptografia digital usada por empresas e usuários da internet segundo as informações publicadas. As matérias descrevem como a NSA investiu bilhões de dólares desde 2000 para tornar os segredos de quase todas as pessoas disponível para análise do governo.

Para tanto, a NSA construiu poderosos supercomputadores para quebrar os códigos de criptografia e, em parceria com empresas de tecnologia não especificadas, inserir "backdoors" (programas que deixam os computadores ou softwares expostos a uma futura invasão) em seus softwares, afirmam as matérias.

Tal prática dá ao governo acesso às informações digitais dos usuários antes que elas sejam criptografadas e enviadas pela internet.

"Na última década, a NSA liderou esforços agressivos e múltiplos para quebrar as tecnologias de criptografia amplamente usadas na internet", segundo um documento de 2010 sobre as conquistas da NSA para seu parceiro britânico, o Quartel Geral de Comunicação do Governo (GCHQ). Especialistas em segurança disseram aos jornais e ao site que tal prática de quebra de códigos pode, em última instância, prejudicar a segurança na internet e deixar seus usuários vulneráveis aos hackers.

As revelações fazem parte dos documentos vazados pelo ex-funcionário terceirizado da NSA, Edward Snowden, que está asilado na Rússia. Os documentos divulgados por ele, primeiramente publicados pelo Guardian, revelaram os enormes esforços do governo norte-americano para coletar e analisar todo tipo de dado que os norte-americanos enviam dentro dos Estados Unidos e para o restante do mundo.

Tais revelações levaram a um novo debate nos Estados Unidos sobre o equilíbrio entre as liberdades civis e manter o país a salvo dos terroristas. O presidente Barack Obama saudou o debate e disse que ele é "saudável para nossa democracia", mas criticou o vazamento das informações secretas. O Departamento de Justiça abriu uma acusação contra Snowden com base na Lei Federal de Espionagem.

As matérias publicadas descrevem alguns dos "esforços mais intensivos" da NSA se concentraram no Secure Sockets Layer, um tipo de criptografia amplamente usado por varejistas online e redes corporativas para proteger o tráfego de suas informações na rede.

Um documento diz que o GCHQ tentava, havia anos, analisar o tráfego de empresas como Google, Yahoo, Microsoft e Facebook. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
EUANSAcriptografiaSnowden

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.