Número 2 da Al-Qaeda teria sido morto no Paquistão

O número 2 da Al-Qaeda, Atiyah Abd al-Rahman, foi morto no Paquistão, em mais um grande revés para o grupo terrorista, que na opinião dos Estados Unidos está à beira da derrota, disse um graduado funcionário do governo do presidente norte-americano, Barack Obama, neste sábado.

Agência Estado

27 de agosto de 2011 | 16h10

Al-Rahman foi líder operacional da Al-Qaeda e subiu ao posto de número 2 da rede terrorista após forças especiais dos EUA matarem o líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, durante uma operação no Paquistão em maio.

O secretário de Defesa norte-americano, Leon Panetta, disse no mês passado que a derrota da Al-Qaeda estava ao alcance, se os EUA pudessem impor vários ataques bem-sucedidos contra a enfraquecida liderança do grupo. "Agora é o momento, depois do que ocorreu com Bin Laden, de colocar o máximo de pressão sobre eles", afirmou Panetta, "porque eu realmente acredito que se continuarmos com esse esforço nós podemos de fato acabar com a Al-Qaeda como uma grande ameaça".

Al-Rahman foi morto no dia 22 de agosto, na região tribal do Waziristão, segundo a fonte, que pediu anonimato. O funcionário não disse como o extremista foi morto, porém a baixa ocorreu no mesmo dia em que a CIA realizou um ataque com um avião não tripulado na região.

Al-Rahman era um confidente próximo de Bin Laden e já havia atuado como emissário do líder no Irã. Nascido na Líbia, ele se uniu a Bin Laden quando era um adolescente, no Afeganistão, para lutar contra a invasão soviética. Após as forças operacionais matarem o líder da rede, elas encontraram provas do papel de Al-Rahman como chefe operacional do grupo, segundo autoridades norte-americanas.

As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAAl-QaedaPaquistãomorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.