Lewis Whyld-pa/AP/Arquivo
Lewis Whyld-pa/AP/Arquivo

Número 2 da Scotland Yard renuncia em escândalo de grampos

Renúncia ocorre um dia depois da saída do chefe da polícia londrina, Paul Stephenson

estadão.com.br,

18 de julho de 2011 | 10h22

Atualizado às 11h40

 

LONDRES - O número 2 da Scotland Yard, a polícia londrina, John Yates, renunciou nesta segunda-feira, 18, em meio ao escândalo dos grampos telefônicos do jornal News of the World, segundo a AP.

 

Veja também:

linkBrooks é liberada após interrogatório

linkPrefeito nega ter forçado demissão

lista Entenda o escândalo dos grampos

 

Yates era um dos mais altos funcionários da Scotland Yard e, de acordo com a Reuters, o principal agente da unidade contra-terrorismo da polícia londrina. A renúncia ocorre um dia depois da saída do chefe da Scotland Yard, Paul Stephenson.

 

A renúncia de Yates foi anunciada nesta segunda-feira em um comunicado da polícia metropolitana de Londres. Segundo o documento, a renúncia foi aceita e Yates daria declarações mais tarde.

 

Segundo a BBC, Yates era um dos policiais mais conhecidos da população britânica. Um porta-voz do prefeito de Londres, Boris Johnson, disse que a decisão de Yates é "lamentável, mas a escolha mais acertada".

 

Onze mil páginas

 

Em 2009, Yates decidiu não reabrir as investigações em torno do caso de grampos telefônicos ilegais feitos pelo News of the World, que deixou de circular no domingo, 10. Na ocasião, ele disse que não havia razões para retomar as investigações.

 

Em janeiro, contudo, descobriu-se que a polícia tinha onze mil páginas de evidências relacionadas ao caso, ainda não examinada pelos investigadores.

 

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, disse também nesta segunda que o Parlamento deve se reunir na quarta-feira para discutir a crise que atinge o império do magnata Rupert Murdoch, a polícia londrina e o próprio premiê. O recesso parlamentar de verão deveria começar na terça-feira, após uma audiência com Murdoch, seu filho James e a ex-editora do News of the World Rebekah Brooks. Cameron, contudo, disse que o Parlamento deve discutir o assunto novamente na quarta-feira.

 

Com AP, Reuters e BBC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.