AFP PHOTO / FEDERICO PARRA
AFP PHOTO / FEDERICO PARRA

Chavista processará Wall Street Journal por difamação na Justiça Federal dos EUA

Jornal publicou artigo que menciona que político Diosdado Cabello é investigado por narcotráfico. Chavista afirma que publicação ‘causou e continua causando um enorme dano a sua reputação’

O Estado de S. Paulo

06 Maio 2016 | 16h39

CARACAS - O número dois do chavismo, Diosdado Cabello, processará o jornal The Wall Street Journal (WSJ) por difamação na Justiça Federal dos EUA, em razão de um artigo que mencionou que o político venezuelano é investigado por narcotráfico.

A queixa de oito páginas foi apresentada com a data de quinta-feira nos tribunais do sul de Manhattan contra os proprietários do jornais, Dow Jones e News Corp, referindo-se a uma publicação de 18 de maio de 2015.

Em sua apresentação, Cabello afirma que o artigo "causou e continua causando um enorme dano a sua reputação" assim como a sua "capacidade como membro-chave" do Legislativo venezuelano.

"O artigo contém alegações falsas e difamatórias de que o demandante (da ação judicial) esteve envolvido em atividades criminosas vinculadas com tráfico de drogas e lavagem de dinheiro", indica.

O artigo do WSJ garantia que o Ministério Público federal dos EUA investigava altas autoridades venezuelanas, incluindo Cabello, por "terem transformado o país em um centro global de tráfico de cocaína e lavagem de dinheiro".

O jornal, que citava uma "dezena de fontes próximas ao caso", acrescentou que "uma unidade de elite da agência antidrogas dos EUA (DEA) e procuradores de Nova York e Miami" estavam "coletando provas fornecidas por ex-traficantes de cocaína, informantes próximos a altos funcionários do governo venezuelano e desertores do Exército" do país.

O principal objetivo da investigação seria Cabello, suspeito de ser "um dos líderes, senão o líder, do cartel", apontou uma fonte do Departamento de Justiça citada pelo WSJ.

Em 2015, Cabello já havia aberto um processo contra três veículos de comunicação venezuelanos por difundirem uma informação que o relacionava a uma suposta rede de narcotráfico. Em janeiro do mesmo ano, a imprensa venezuelana, incluindo os três veículos processados, publicaram versões de que Leamsy Salazar, ex-chefe de segurança de Cabello e do falecido presidente Hugo Chávez, fugiu para os EUA e denunciou a suposta existência de um cartel de narcotraficantes que pertenceria a Cabello. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.