Número de brasileiros desaparecidos na Ásia sobe para 242

A lista de brasileiros desaparecidos na região atingida pelo tsunami, no sudeste da Ásia, aumentou de 208 para 242 entre ontem e o início da noite de hoje, conforme informou o Ministério das Relações Exteriores. Apesar da hipótese de uma parte das pessoas dessa lista ter morrido durante a invasão das ondas gigantes, o Itamaraty reconhece apenas as perdas da diplomata Lys Amayo de Benedek D´Avola, conselheira da embaixada brasileira em Bangcoc, na Tailândia, e de seu filho, Gianluca.O Itamaraty também constatou que dobrou, de 70 para 140, o número de brasileiros que entraram em contato com as embaixadas do Brasil nos quatro países asiáticos afetados para dizer que estão bem. Quatro dessas pessoas nem mesmo constavam da lista de desaparecidos - que inclui os nomes apontados por parentes e amigos de brasileiros que, supostamente, estariam na região. "A hipótese de morte das pessoas que estão entre os 242 desaparecidos não foi afastada. Mas há brasileiros nessa lista que podem estar no Norte da Índia ou da Tailândia, áreas bem distantes das atingidas pelo tsunami", afirmou o ministro Manuel Gomes Pereira, diretor do Departamento das Comunidades Brasileiras no Exterior do Itamaraty. O centro de atendimento do Itamaraty já recebeu cerca de 450 chamadas telefônicas e de 220 e-mails, com alertas sobre o possível desaparecimento de brasileiros. A partir desses apelos e das informações diariamente recebidas das embaixadas do Brasil nos quatro países, o ministério atualiza a lista, na qual constavam 242 nomes até agora. Os telefones para contato são (61) 411-6999 (das 7 às 19 horas) e (61) 411-6456 (das 19 às 7 horas). A embaixada do Brasil na Tailândia também montou um balcão de atendimento brasileiros no aeroporto internacional de Bangcoc. O marido da conselheira Lys Amayo, o italiano Antonio D´Avola, que estaria internado em um hospital, ainda não foi localizado. O translado dos corpos da diplomata e de seu filho deve ser decidido por familiares, que desembarcaram hoje em Bangcoc.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.