Photo by JUSTIN TALLIS / AFP
Photo by JUSTIN TALLIS / AFP

Número de celular de Boris Johnson está disponível online há 15 anos

O contato aparece no final de um comunicado de imprensa, de 2006, quando ele ainda era "ministro-sombra"

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2021 | 10h49

LONDRES -  O número do celular pessoal do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, está disponível na internet há 15 anos. A informação, que foi revelada nesta sexta-feira, 30, pela imprensa britânica levantou preocupações sobre a segurança nacional do Reino Unido.

O contato aparece no final de um comunicado de imprensa, de 2006, quando ele ainda era ministro-sombra. O documento ainda estava disponível online em 2021 e o número parece ser o mesmo que o líder conservador usa atualmente, segundo a BBC.

O comunicado de imprensa, relacionado com o seu trabalho na oposição, convidava os jornalistas a entrarem em contato com Johnson diretamente por meio do número de escritório ou do celular.

Procurado hoje pela AFP, o número transmitiu uma mensagem automática, informando que o telefone estava desconectado. 

Relatórios deste mês indicam que funcionários já tinham aconselhado Johnson a trocar de número devido a preocupações sobre o número de pessoas que o contactam o premiê diretamente.

Downing Street não quis comentar o relatório, revelado no website Popbitch, que o número de telefone de Johnson estava disponível online para qualquer pessoa que o procurasse.

A utilização que Johnson faz de seu celular está no centro das atenções depois de, recentemente, serem reveladas trocas de mensagens do premiê com o príncipe da coroa saudita Sir Mohammed bin Salman e com o industrial britânico James Dyson

Nas mensagens com o industrial, que remontam ao início da pandemia em março de 2020, o primeiro-ministro prometeu acertos fiscais a Dyson em troca da fabricação de respiradores para os hospitais do país. 

Este caso expôs os laços estreitos entre o governo conservador e os interesses privados e sua disposição de responder diretamente às comunicações dos empresários. 

Após a revelação, a ministra do Interior disse que Johnson estava ciente das suas responsabilidades em matéria de segurança nacional. "O primeiro-ministro, mais do que ninguém, conhece as suas responsabilidades quando se trata de segurança nacional", disse Victoria Atkins ao Times Radio Breakfast.

"Estou ligeiramente surpreso que uma emissora nacional tenha achado apropriado anunciar o fato de esse número de telefone estar na internet, se é que de fato está".

Ela acrescentou que acreditava que o público não estava "particularmente interessado" na questão.

Já para Peter Ricketts, ex-conselheiro de segurança nacional do Reino Unido, o fato de o número pessoal de Johnson ser de domínio público "preocupa", porque "é um bem muito valioso", comentou em entrevista à BBC. 

Ele insistiu na importância de se controlar a publicação online de informação sensível para a segurança. 

"Penso, em particular, em políticos de alto escalão que ocupam postos delicados, cujas conversas telefônicas podem conter material sensível, informação comercial delicada, pessoas que tentam pressioná-los para obter favores, ou isenções fiscais, ou conversas com líderes estrangeiros", disse ele. 

Entre outros escândalos que abalaram o governo britânico nos últimos dias, a comissão eleitoral, que regula as contas dos partidos políticos, anunciou na quarta-feira uma investigação sobre o financiamento das reformas do apartamento oficial de Johnson em Downing Street.

Segundo a imprensa, o custo das obras foi de 200.000 libras (US$ 277.000), muito mais do que as 30.000 libras cobertas por recursos públicos. / AFP.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.