Número de civis mortos no Afeganistão é o maior desde 2001

Segundo agências humanitárias, das 2.500 vítimas do conflito em 2007, 260 foram mortas apenas no mês de julho

Reuters,

01 de agosto de 2008 | 13h55

Os índices de violência no Afeganistão alcançaram os níveis mais altos desde o início da invasão americana, em 2001. Segundo informações de um grupo de 100 agências humanitárias afirmou nesta sexta-feira, 1, 260 civis foram mortos somente no mês de julho. O balanço faz parte de um pedido por mais auxílio na proteção da vida dos não-combatentes durante o conflito. Cerca de 2.500 pessoas foram mortas no conflito desde o início do ano, sendo que mais de mil vítimas são civis. Dois terços das vítimas morreram em ataques de grupos insurgentes, "especialmente com o crescimento dos atentados suicidas e de outros ataques indiscriminados em áreas civis e com o uso de propriedades civis para lançar ataques". O número de ataques de insurgentes no país foi maior do que a soma dos meses de maio e junho, e de qualquer outro mês desde que a coalizão das forças americanas e afegãs expulsaram o Taleban em 2001, segundo a Agência Coordenadora do Grupo de Ajuda ao Afeganistão (Acbar, sigla em inglês), entidade que reúne os grupos de auxílio humanitário no país. Nesta sexta-feira, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) afirmou que quatro soldados e um civil foram mortos na explosão de uma bomba em uma estrada no leste do país, elevando o número de soldados da aliança mortos no dia para cinco. Mais cedo, um militar morreu na província de Khost, na mesma região. A nacionalidade os oficiais não foi divulgada, mas a maioria das tropas nesta área são americanas. A escalada de violência forçou as agências a restringir seus trabalhos humanitários. Muitas escolas e clínicas foram fechadas e um número significativo de pessoas foram deslocadas internamente.  Segundo a Acbar, o número de tropas internacionais no país subiu de mais de 10 mil para 71 mil, além do aumento de soldados entre os militares afegãos. Porém, a insurgência Taleban segue em expansão e, segundo a Otan, a violência cresceu mais de 40% no leste do país. O aumento de 40% dos ataques aéreos promovidos pelas forças internacionais contra o militantes também contribui para o aumento da morte de civis. "As buscas conduzidas pelas forças internacionais e afegãs em algumas ocasiões envolvem o uso excessivo da força, mortes extrajudiciais , destruição de propriedades ou crueldade com os suspeitos", diz o comunicado.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.