Daisuke Suzuki/Kyodo News via AP
Daisuke Suzuki/Kyodo News via AP

Número de desaparecidos no Japão após passagem de tufão sobe para 21

Fortes chuvas causadas por tufão Lionrock matou 11 pessoas e provocou graves inundações no nordeste do país

O Estado de S.Paulo

01 Setembro 2016 | 13h25

TÓQUIO - Autoridades do Japão divulgaram nesta quinta-feira, 1º, que subiu para 21 o número de desaparecidos no país pela passagem do tufão Lionrock no nordeste do país, que deixou pelo menos 11 mortos e graves inundações causadas pelas fortes chuvas.

A cidade de Iwaizumi, na Província de Iwate, foi uma das mais danificadas, onde nove idosos morreram presos na casa de repouso em que viviam, após um rio próximo transbordar. Outros 18 moradores do local seguem desaparecidos, afirmou a agência de notícias japonesa Kyodo.

Três pessoas estão desaparecidas na ilha setentrional de Hokkaido após serem arrastadas pelas enchentes dos rios. Entre elas, está um jovem de 28 anos, cujo carro caiu no fluxo da corrente de água.

Autoridades locais e o corpo de bombeiros retomaram nesta quinta-feira a busca pelos desaparecidos, enquanto o governo mantém em 11 o número de mortos em razão do fenômeno meteorológico que atravessou o nordeste do país no início desta semana.

O primeiro-ministro Shinzo Abe convocou uma reunião de gabinete para esta tarde com o objetivo de lidar com o desastre, que deixou cenas de devastação, lembrando o tsunami que arrasou a região em março de 2011.

Além disso, a Agência Meteorológica do Japão (JMA) informou sobre a formação de um novo tufão, o Namtheun, perto do país.

O 12º tufão da temporada 2016 no Pacífico encontra-se ao sul de Okinawa, e se desloca em direção ao nordeste com ventos de até 90 km/h.

A tempestade deve chegar ao sul da Ilha de Kyushu entre sábado e domingo, depois de atravessar a região sudoeste da Ilha de Honshu, antes de continuar em direção à China. Mantendo o curso, o Namtheun seria o quarto tufão a atingir o Japão em apenas duas semanas. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Japão Tufão Inundação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.