Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Número de feridos na Caxemira é de 24

Supostos militantes islâmicosdetonaram nesta quarta-feira duas granadas perto do prédio da AssembléiaLegislativa em Srinagar, capital de verão do Estado indiano deJammu-Caxemira, matando um policial e ferindo pelo menos 24pessoas. O ataque ocorreu três meses após o atentado suicidacontra o mesmo prédio que deixou 40 mortos. Segundo a polícia, os militantes detonaram a primeira granadadiante da principal entrada do fortemente vigiado prédio edepois diante de um cinema abandonado a 500 metros de distância.Pelo menos 12 pessoas, incluindo 8 policiais, ficaram feridos noprimeiro ataque, supostamente contra a força policial. Tropas da Índia e Paquistão mantiveram hoje intensostiroteios ao longo de sua fronteira na disputada região daCaxemira. Quatro soldados paquistaneses morreram nos combates deontem. "As tropas paquistanesas fizeram disparos de granadas demorteiros e metralhadora contra posições indianas ao longo daLinha de Controle no setor de Nowshahra por mais de três horas" disse um porta-voz da Defesa, acrescentando que quatro soldadospaquistaneses haviam sido mortos e oito bunkers destruídos naretaliação indiana. Um alto funcionário indiano revelou hoje que foi uma ameaçafeita por e-mail pelo grupo integrista islâmico Lashkar-i-Taibaque levou o serviço de segurança a camuflar com um tecido preto,cáqui e verde o monumento do Taj Mahal. "Eles ameaçaramexplodir o Taj Mahal, outros monumentos e importantes prédios dogoverno em Lucknow (capital do Estado de Uttar Pradesh)",revelou o funcionário anonimamente. O grupo islâmico Jaish-i-Mohammad, que com o Laish-i-Taiba éacusado pela Índia pelo atentado suicida do dia 13 contra oParlamento em Nova Délhi, ameaçou hoje realizar "novos ataquesmortais" contra as forças de segurança indianas. O grupo tambéminformou que está transferindo suas bases para a Caxemira paraescapar da repressão das autoridades paquistanesas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.