Lucy Nicholson/Reuters
Lucy Nicholson/Reuters

Número de infectados nos EUA pode ser dez vezes maior que o oficial, diz diretor do CDC

Projeção baseada em testes sorológicos estima que até 8% da população pode ter sido contaminada até agora

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2020 | 17h12
Atualizado 29 de junho de 2020 | 16h19

WASHINGTON - Entre 5 e 8% da população dos Estados Unidos foi infectada pelo coronavírus, estimou nesta quinta-feira, 25, o diretor do Centro de Prevenção e Combate a Doenças (CDC), Robert Redfield, que observou que a pandemia está longe de ser ser controlada.

Este número equivale a 20 milhões de pessoas, ou seja, dez vezes mais do que os números oficiais, calculou o funcionário em uma teleconferência com jornalistas, citando uma projeção baseada em testes sorológicos. 

A população dos EUA totaliza cerca de 329,8 milhões de pessoas e o número de infectados oscila entre 16,5 e 26,4 milhões, de acordo com essa estimativa. 

Essas projeções, que não foram publicadas oficialmente pela CDC, são uma média nacional, pois em regiões do país mais afetadas pela pandemia, como Nova York, o governador informou que até 20% da população pode ter contraído o vírus. 

"Há estados em que haverá uma taxa de prevalência inferior a 2%, o que implica que a maioria desses indivíduos nessas regiões ainda são suscetíveis" à infecção, disse Redfield. 

"A pandemia ainda não acabou", alertou o funcionário, lembrando que a ferramenta mais poderosa que existe hoje é o distanciamento social, em um momento em que há um aumento dos casos, especialmente no sul e oeste dos Estados Unidos.

Texas suspende reabertura gradual 

No Texas, o governador Greg Abbott declarou a suspensão temporária da reabertura gradual que o Estado vinha fazendo devido a um salto recente de infecções e de internações decorrentes da covid-19.

“Essa pausa temporária ajudará nosso Estado a conter a disseminação até podermos entrar com segurança na próxima fase de reabertura do nosso Estado aos negócios”, disse Abbott em um comunicado.

O Texas, o segundo maior Estado do país em população, teve um dos piores surtos nacionais do novo coronavírus, relatou mais de 5 mil casos novos por três dias seguidos e bateu recordes sucessivos de internações durante 13 dias consecutivos.

A proporção de texanos diagnosticados com o vírus aumentou para 10%, o que o torna um dos poucos Estados da nação com uma taxa de diagnóstico positivo de dois dígitos.

Abbott disse que os negócios que receberam permissão para abrir nos termos das fases anteriores podem continuar funcionando com os níveis de ocupação designados e de acordo com os protocolos de padrões mínimos de saúde estabelecidos previamente./ AFP e Reuters 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.