Denis Onyodi/Red Cross Red Crescent Climate Centre/Handout /Reuters
Denis Onyodi/Red Cross Red Crescent Climate Centre/Handout /Reuters

Número de mortes provocadas por ciclone em Moçambique chega a 446

No total, o Idai, que causou grandes inundações e deslizamentos de terra em Moçambique e no vizinho Zimbábue, deixou pelo menos 700 mortos nos dois países

Redação, O Estado de S. Paulo

23 de março de 2019 | 09h39
Atualizado 24 de março de 2019 | 06h48

O balanço do ciclone que devastou Moçambique na semana passada superou 446 mortes, anunciou neste domingo, 24, o ministro do Meio Ambiente moçambicano, Celso Correia, que também calculou que a região afetada pelo desastre alcança uma superfície de 3.000 quilômetros quadrados.

"Até o momento temos 531 mil pessoas afetadas pelo desastre", afirmou Celso Correia em Beira, a segunda maior cidade do país, parcialmente devastada na passagem do ciclone Idai. O balanço anterior em Moçambique citava 293 mortos.

No total, o Idai, que provocou grandes inundações e deslizamentos de terra em Moçambique e no vizinho Zimbábue, deixou pelo menos 700 mortos nos dois países.

"É um desastre natural sem precedentes. A zona afetada (em Moçambique) é de 3.000 quilômetros quadrados. Um desastre que equivale a grandes catástrofes", afirmou Celso Correia.

"Infelizmente, ninguém na região e no mundo consegue prever um desastre de tal magnitude", completou. // AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.