Efe
Efe

Número de mortos em explosão na mexicana Pemex sobe para 32

Mais de 100 pessoas ficaram feridas; causas do acidente estão sendo investigadas

AE, Agência Estado

01 de fevereiro de 2013 | 04h10

(Texto atualizado às 16h05) CIDADE DO MÉXICO - Subiu para 32 o número de mortos na explosão na sede da petrolífera estatal mexicana Pemex, na Cidade do México, mas a causa do incidente ainda não está clara, disse a empresa nesta sexta-feira.

Cenas de confusão e caos após a explosão na torre, que também deixou mais de 100 feridos, foram um novo golpe para a imagem da Pemex num momento em que o presidente do México busca investimentos externos para a empresa, que detém o monopólio do setor, iniciado há 75 anos.

O diretor-executivo da Pemex, Emilio Lozoya, disse que o número de mortos agora passou a 32 -à noite, eram 25. Ainda é muito cedo para dizer o que causou a explosão, afirmou Lozoya em entrevista coletiva à imprensa. "Um incidente fatal como o de ontem (quinta-feira) não pode ser explicado em duas horas. Estamos trabalhando com as melhores equipes do México e de outros países. Não vamos especular", declarou ele.

A empresa informou em um comunicado que, apesar do incidente, cumprirá seus compromissos comerciais e financeiros. "A Pemex reitera que não se verá afetada de nenhuma maneira a operação normal da empresa...todos os compromissos assumidos com seus parceiros comerciais e financeiros serão cumpridos em tempo e forma", assegurou.

Familiares de vários funcionários chegavam ao local para ter informações de seus parentes. "O carro dele está aqui...já liguei umas 20 vezes e não consigo falar com ele", disse José Luis García, de 56 anos, que procurava o filho de 35 anos. Originalmente, a Pemex informou por meio do Twitter que sua sede central teve de ser desocupada por uma falha no fornecimento de energia.

A Pemex, um símbolo da autossuficiência do México, bem como um sinônimo no país de falhas de segurança, furto de petróleo e acidentes frequentes, tem sido prejudicada pela ineficiência, corrupção e uma série de falhas de segurança que causaram a morte de centenas de pessoas.

Equipes de busca e salvamento vasculhavam os escombros, e os investigadores examinavam cacos de vidro e concreto na base do edifício para tentar descobrir o que causou a explosão. Não ficou claro quantas pessoas ainda estariam presas.

Um funcionário do governo, falando sob a condição de anonimato, disse que uma linha de investigação preliminar sugere que uma caldeira a gás explodiu em um prédio da Pemex ao lado da torre principal. No entanto, ele ressaltou que nada ainda foi apurado com certeza.

Segundo Lozoya, os quatro pisos mais afetados pela explosão normalmente abrigavam cerca de 200 a 250 pessoas trabalhando. Em todo o complexo trabalham perto de 10.000 funcionários.

Antes da explosão no arranha-céu de mais de 50 andares, sede de escritórios administrativos, houve em setembro um incêndio em uma instalação de gás da Pemex, perto da cidade de Reynosa, no qual morreram 30 pessoas.

Mais de 300 foram mortas quando uma usina de gás natural da Pemex, nos arredores da Cidade do México, explodiu em 1984.

As informações são da Dow Jones e da Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
MéxicoexplosãoPemex

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.