Número de mortos em igreja pode chegar a 250

A Igreja San Clemente, em Pisco, é o símbolo do mais forte terremoto que abalou o Peru durante 2 minutos na quarta-feira. Até ontem, sete sobreviventes foram retirados dos escombros, que soterraram um número estimado de 250 pessoas. O padre José Torres Mota foi resgatado depois de ficar dois dias soterrado. Ele sofreu ferimentos no braço e na cabeça e disse que se salvou, pois se aproximou da parede da cúpula, que era de cimento. Do edifício imponente na praça principal da cidade, construído no fim do século 18 e tombado como patrimônio histórico nacional, sobraram apenas as duas torres e parte da cúpula. No dia do tremor, moradores da cidade assistiam no local à missa que celebrava a Assunção da Virgem Maria e, ao mesmo tempo, lembravam o 7.º dia da morte de uma professora. O pesado teto da nave central da igreja foi a primeira parte a desabar. "Meu pai, minha mãe e um tio acompanhavam a missa", disse ao ?Estado? María Alvarez, que chegou ontem à cidade. María, que mora em Lima, afirmou que não tinha nenhuma esperança de encontrar os pais com vida. O corpo do tio já tinha sido identificado. "Tenho de ser realista", lamentou a peruana. "Vim para cá para localizar os corpos e providenciar o sepultamento." As buscas na igreja eram prioridade das equipes de resgate, que ontem retiraram duas pessoas com vida entre os escombros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.