Número de mortos em naufrágio na Coreia do Sul sobe para 171

Mergulhadores continuam trabalhos de resgate, mas sem esperança de encontrar sobreviventes

O Estado de S. Paulo,

24 de abril de 2014 | 12h44

SEUL - Mergulhadores retiraram mais corpos no navio naufragado na Coreia do Sul nesta quinta-feira, 24, enquanto investigadores analisam se a embarcação estava com sobrepeso. O número de mortos subiu para 171 e deve passar dos 300 porque desde o dia 16 não são encontrados sobreviventes.

Das 476 pessoas a bordo, 174 foram resgatadas vivas. Cerca de 700 mergulhadores realizam buscas no navio.

Os corpos de um menino e uma menina foram encontrados nesta quinta usando coletes salva-vidas atados entre si, provavelmente para não se distanciarem, disse o mergulhador que recuperou os corpos. "Comecei a chorar ao pensar que eles não queriam se separar."

Os pais do menino que foi o primeiro a alertar os bombeiros sobre o naufrágio, por telefone, disseram que o corpo dele possivelmente também foi resgatado, segundo a guarda costeira sul-coreana. Os pais viram o corpo e as roupas e concluíram que se tratava do filho, mas a identificação ainda não foi oficializada.

O capitão da embarcação, Lee Joon-seok, e outros 19 tripulantes foram presos sob acusação de negligência. A família proprietária do navio está sendo investigada.

Promotores anunciaram ações de busca na Associação Coreana da Navegação e no Registro Coreano da Navegação para averiguar se os certificados de segurança da embarcação estavam em dia, informou a agência de notícias Yonhap. "O objetivo era investigar más práticas e corrupção em toda a indústria naval", disse o promotor Song In-taek, na cidade de Incheon.

As aulas foram retomadas nesta quinta na escola onde estudavam os alunos que estavam no navio. Uma homenagem com flores e fotos das vítimas foi realizada. Abatidos, outros alunos deixavam crisântemos brancos no local ao chegar para as aulas. Fitas amarelas com nomes e mensagens para os mortos foram amarradas na cerca do local./ REUTERS e AP

 
Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do SulnaufrágioSewol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.