Número de mortos em terremoto na China sobe para 20 mil

O número de mortos no terremotono sudoeste da China subiu na quinta-feira para pelo menos 10mil, enquanto as esperanças se esgotam para os mais de 25 milsoterrados nos escombros há três dias. O Partido Comunista ordenou às autoridades que "garantam aestabilidade social", pois há rumores de que o terremoto de 7,9graus de magnitude tenha ocasionado vazamentos químicos,estourado barragens e provocado cenas de desespero coletivo. Cerca de 130 mil militares e paramilitares integram asequipes de busca e resgate na província de Sichuan, a maisafetada entre as dezenas de cidades transformadas em pilhas deentulho. Em Dujiangyan os corpos retirados dos escombros sãoenrolados em pedaços de lona e levados para os necrotérios. Asequipes estão tão ocupadas que os próprios pais das criançasdesaparecidas estão se revezando para procurá-las nos escombrosde uma escola que desabou. Três dias depois do tremor, as esperanças de retirarpessoas com vida das ruínas diminuem e o trabalho das equipesde resgate é dificultado pela falta de equipamentoespecializado. Mas houve momentos de alegria e alívio. "Obrigada,obrigada", dizia uma jovem de 22 anos retirada dos escombros deum hospital em Dujiangyan. Ela não estava ferida, mas nãoconseguia se mexer e sair dali. LISTA DE PROCURADOS A agência de notícias oficial da China, a Xinhua, citou ogoverno da província de Sichuan, que disse que o número demortos aumentou para mais de 19.500. Com centenas de mortos nasprovíncias vizinhas, a contagem total chega a pelo menos 20mil. O deslocamento das dezenas de milhares de desabrigadostambém está crescendo. "Há comida suficiente, mas água não.Temos apenas garrafas de água mineral nos últimos dias, masnada para cozinhar", disse Wang Yujie, professora cuja escolaresistiu ao tremor. Mais ajuda está chegando e a coordenação dos esforçostambém está crescendo. Sichuan criou uma linha telefônica paraas vítimas. Ambulâncias de Pequim também estão nas ruas. Mais de 12,5 mil toneladas de suprimentos foram atiradas deaviões e vários helicópteros levam as equipes de resgate eajuda às áreas afetadas. O ministério das Relações Exteriores disse que colchas,barracas, comida, telefones por satélite, remédios eescavadeiras são os itens de que a China mais precisa.Bandagens, antibióticos, talas e equipamentos como ventiladorese máquinas de diálise são alguns dos itens médicos necessários. Os chineses correram para os bancos de sangue em Pequim.Pelo menos 3.300 pessoas doaram sangue na capital em apenas umdia. A China diz que também são bem-vindos os vôos comsuprimentos vindos de Taiwan e a equipe japonesa que chegoupara reconstruir as cidades. O terremoto é o pior a atingir opaís desde 1976, quando mais de 300 mil pessoas morreram. (Reportagem adicional de Ben Blanchard, EmmaGraham-Harrison, Lindsay Beck, Guo Shipeng e Sally Huang)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.