EFE/Massimo Percossi
EFE/Massimo Percossi

Número de mortos em terremoto na Itália sobe para 268 e trabalhos de resgate continuam

Funcionários trabalham contra o tempo em busca de sobreviventes sob os escombros; regiões afetadas registraram mais de 50 novos tremores

Andrei Netto, Enviado Especial / Amatrice, Itália, O Estado de S.Paulo

26 Agosto 2016 | 08h54

AMATRICE, ITÁLIA - O número de mortos pelo terremoto que abalou a região central da Itália na quarta-feira subiu para 268 - a maior parte em Amatrice -, mas ainda não se descarta que haja mais corpos entre os escombros de algumas das localidades mais afetadas.

A chefe de emergências da Defesa Civil, Immacolata Postiglione, divulgou nesta sexta-feira, 26, em Roma, o novo número de mortos e explicou detalhes da situação nas zonas afetadas pelo terremoto de 6,2 graus de magnitude.

Immacolata explicou que 49 mortos são do município de Arquata del Tronto, na Província de Ascoli, 208 de Amatrice e 11 de Accumuli, ambos na Província de Rieti. O número de feridos internados nos hospitais é de 387 no momento, acrescentou ela.

A porta-voz da Defesa Civil informou ainda que 2,1 mil pessoas dormiam nos campos instalados em vários pontos da área afetada, em comparação aos 1,2 mil da noite anterior. Muitos decidiram passar a noite em tendas e ginásios, ao invés de nos automóveis ou ao ar livre.

A Defesa Civil instalou vários campos e providenciou ginásios e outros centros com cerca de 3,5 mil camas para as pessoas que ficaram sem lar após o sismo.

Os desabrigados tiveram mais uma noite difícil, já que foram registrados 57 novos tremores. O mais forte, de 4,8 graus de magnitude, ocorreu às 6h28 locais (1h28 em Brasília) e durou mais de um minuto. Ele foi sentido em Rieti, Amatrice e Montereali, entre outras cidades e vilarejos.

Veja abaixo: Forte terremoto mata dezenas de pessoas na Itália

O tremor causou novos deslizamentos de terra, mas não atrapalhou as equipes de resgate, que seguem trabalhando na busca de sobreviventes sob os escombros. Os trabalhos continuam nesta sexta-feira e os funcionários trabalham a contra o relógio, já que conforme as horas passam, a probabilidade de encontrar pessoas com vida se reduz.

Membros da Guarda di Finanza, no entanto, manifestaram nas últimas horas que ainda há esperanças de achar alguma pessoa com vida entre os escombros. Os trabalhos de resgate continuaram durante toda a noite, sem interrupção.

Os primeiros sepultamentos das vítimas estão ocorrendo nesta sexta-feira na cidade de Ascoli. / com EFE

Mais conteúdo sobre:
ItáliaTerremotoAmatrice

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.