Reuters
Reuters

Número de mortos em tumulto na Índia sobe para 115

Algumas pessoas morreram pisoteadas e outras afogadas ao pularem de ponte onde ocorreu incidente

O Estado de S. Paulo,

14 de outubro de 2013 | 11h54

O número de mortos em um tumulto ocorrido domingo 13 em uma ponte que dá acesso a um remoto templo hindu no centro da Índia subiu para 115 nesta segunda-feira, 14, sendo a maioria das vítimas mulheres e crianças. Algumas pessoas morrera pisoteadas e outras afogadas - depois de pularem da ponte para tentarem fugir da confusão.

A tragédia ocorreu quando cerca de 150 mil religiosos peregrinavam em direção ao templo de Ratangarh para celebrar o festival religioso de Dussehra em uma floresta próxima à cidade de Datia, 390 quilômetros ao norte de Bhopal, capital do Estado de Madhya Pradesh.

Fontes policiais afirmaram que cerca de 20 mil pessoas estavam sobre a ponte no momento da confusão - e outras 400 mil já estavam dentro do templo. Tumultos que terminam em mortes são comuns em templos na Índia, onde multidões se reúnem em pequenos espaços sem nenhuma condição de segurança.

As causas que iniciaram o tumulto ainda não foram esclarecidas. Segundo o relato de D. K. Arya, vice-inspetor-geral da polícia na região de Chambal, à agência de notícias Press Trust of India, o pânico tomou conta dos peregrinos quando um veículo pesado bateu contra a ponte e rumores de que a estrutura estava desabando se espalharam.

O jornal 'The Times of India' afirma que, segundo testemunhas, "um confronto entre dois grupos de cidadãos sobre a ponte forçaram uma reação da polícia com bastões, o que provocou o tumulto". O ministro do Interior de Madhya Pradesh, Uma Shakar Gupta, desmentiu que houve erro nas medidas de segurança.

O distrito médico oficial R.S. Gupta disse nesta segunda-feira que as autópsias foram realizadas em 109 corpos no final de domingo./ AP

 
Tudo o que sabemos sobre:
Índiatumultopisoteamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.