Número de mortos nas Filipinas já supera 650

Helicópteros levam comida para sobreviventes e recolhem vítimas das enchentes que começam a ceder nas Filipinas, revelando a magnitude do desastre provocado por tempestade sucessivas que deixaram mais de 650 mortos e quase 400 desaparecidos no norte das Filipinas.Soldados que chegaram a um vilarejo isolado na costa do Pacífico informa ter descoberto mais 100 mortos. Na cidade mais atingida, Real, na província de Quezón, imagens de televisão mostram corpos soterrados em lama e destroços. Apenas os pés aparecem. Sobreviventes descrevem o cheiro de cadáveres em decomposição.Cerca de 170.000 pessoas fugiram de suas casas. Autoridades sanitárias pedem que os mortos sejam sepultados rapidamente, para evitar epidemias. A presidente Gloria Macapagal Arroyo pediu que a nação "se una... e estenda a mão aos que precisam de ajuda". "Precisamos de um grande impulso para levar os suprimentos de emergência, encontrar os desaparecidos, alimentar os famintos e abrigar os desabrigados", disse ela em pronunciamento pela TV.A maior parte da devastação foi provocada por uma tempestade tropical que passou pelas províncias do nordeste na segunda-feira, matando pelo menos 527 pessoas, disse o chefe do Estado-Maior, general Efren Abu. A mesma parte do país foi atingida, ontem, pelo tufão Nanmadol.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.