John WESSELS / AFP
John WESSELS / AFP

Número de mortos pelo Ebola na República Democrática do Congo chega a 702

Desde o último dia 8 de agosto, quando as vacinações começaram, mais de 95.100 pessoas foram imunizadas, na sua maioria nas cidades de Katwa, Beni, Butembo, Mabalako e Mandima

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2019 | 08h28

KINSHASA - Mais de 700 pessoas já morreram vítimas do Ebola no nordeste da República Democrática do Congo, desde que o surto da doença foi declarado em agosto do ano passado, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde do país.

Em um relatório oficial enviado à Agência Efe neste sábado, 6, com números em vigor até 4 de abril, as autoridades estimaram 702 mortes, das quais 636 deram positivas em testes de laboratório e o restante é provável.

Os casos de contágio agora somam 1.117, dos quais 1.051 foram confirmados pelos laboratórios.

Este surto - o mais letal da história do país e o segundo do mundo por mortes e casos, após a epidemia na África Ocidental de 2014 -, foi declarado no dia 1º de agosto de 2018, nas províncias de Kivu do Norte e Ituri.

No entanto, o controle da epidemia foi prejudicado pela recusa de algumas comunidades em receber tratamento e insegurança na região, onde atuam diversos grupos armados.

Desde o último dia 8 de agosto, quando as vacinações começaram, mais de 95.100 pessoas foram imunizadas, na sua maioria nas cidades de Katwa, Beni, Butembo, Mabalako e Mandima, de acordo com os últimos dados do Ministério da Saúde.

Entre outros estragos, a epidemia deixou, até o momento, a 1,4 mil crianças órfãs ou separadas de seus pais em Butembo e Beni, na província do Kivu do Norte, segundo informou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.