Número de mortos por causa de nevascas no Japão chega a 90

O número de mortos na tempestade de neve que atinge o Japão desde dezembro chegou a 90, o mais alto em mais de duas décadas, depois que cinco pessoas morreram em casos separados no maciço montanhoso da região central do país. Duas das vítimas, de 72 e 54 anos, morreram quando o telhado de suas casas desabou por causa do peso da neve que caiu nas últimas semanas sobre os municípios de Myoko e Joetsu, ambos na província de Niigata, no norte do país.Na província de Nagano, outras duas pessoas de 64 e 76 anos morreram ao cair de seus telhados enquanto limpavam a neve acumulada, segundo a agência Kyodo. A outra vítima deste sábado foi uma mulher de 76 anos que morreu atropelada por uma máquina removedora de neve.O balanço ainda provisório de mortos é o maior registrado desde o inverno de 1983-1984, em que 131 pessoas morreram, segundo as mesmas fontes. A rede japonesa de televisão NHK também afirma que cerca de 1.900 pessoas teriam ficado feridas em nevascas que desde dezembro caem com uma intensidade sem precedentes nas áreas montanhosas da ilha de Honshu, a maior do país.As autoridades japonesas mobilizaram unidades das Forças de Autodefesa (o Exército japonês) para ajudar as várias localidades que ficaram isoladas nas últimas semanas. O perigo maior agora é de avalanches, já que um sistema de baixas pressões se aproxima do arquipélago japonês pelo sul, e, por isso, além de um aumento da temperatura, são esperadas chuvas.O Serviço Meteorológico do Japão emitiu hoje um alerta de avalanches, inundações e deslizamentos de terra para domingo no oeste, no leste e no nordeste do país. Pelo menos quatro avalanches ocorreram hoje, uma delas na estação de esqui de Onan, na província de Shimane, mas não há informações sobre vítimas.De acordo com o Serviço Meteorológico, a temperatura pode oscilar entre 10 e 15 graus nas áreas atingidas, e a previsão de chuvas é de entre 50 e 80 milímetros nas regiões de Hokuriku e Tohoku.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.