Número de mortos por tsunami em Java passa de 350

Em Pangandaran, uma das áreas mais afetadas pelo tsunami que atingiu a ilha de Java nessa segunda-feira, já foram registradas a morte de 352 pessoas, de acordo com o centro de atendimento a afetados.Segundo o site de notícias indonésio Detik, o número de mortes chega a 357, em Ciamis (184), Tasikmalaya (97), Cilacap (67), Kebumen (6), Kidul (2) e Garut (1).Até agora em Pangandaran, de acordo com o centro de atendimento, morreram sete estrangeiros: um holandês, um sueco, um japonês, um paquistanês e três árabes.Segundo a Cruz Vermelha da Indonésia haveria 148 feridos, 85 desaparecidos e 2.875 desabrigados. Os números estão abaixo das estimativas da imprensa indonésia, que fala em 10 mil desabrigados em Pangandaran e outras 5 mil em Cilacap. Eles passaram a noite ao relento ou refugiados em mesquitas, temendo novas "ondas assassinas".TremoresA agência americana Earthquake Hazards Program registrou 21 tremores na Indonésia desde o maremoto de 7,7 graus de magnitude que formou o tsunami. Muitos deles aconteceram na região de Java e, provavelmente, são réplicas do primeiro. A magnitude dos novos terremotos oscila de 4,0 a 6,3 graus na escala Richter.Serviços científicos da região da região enviaram alertas sobe o terremoto de 7,2 graus, porém, eles não chegaram às vítimas, porque a ilha não possui um sistema de divulgação adequado.O mais recente foi de 5,6 graus, à 01h18 (horário de Brasília), a dez quilômetros de profundidade e cerca de 425 quilômetros a sudeste de Jacarta.O epicentro do maremoto que originou o tsunami se situou no Oceano Índico, a 355 quilômetros a sudeste de Jacarta, em frente a Pangandaran e Cilacap, e a 48,6 quilômetros de profundidade.A catástrofe relembrou o tsunami de 26 de dezembro de 2004, que se formou no norte da ilha de Sumatra e que causou a morte de 226.408 pessoas de 12 países, segundo a ONU. O terremoto de 9,3 graus na escala Richter ocorreu a 30 quilômetros de profundidade no Oceano Índico e cerca de 160 quilômetros da costa oeste da ilha indonésia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.