AP Photo/Christian Bruna
AP Photo/Christian Bruna

Número de refugiados no mundo atinge recorde e chega a 65,3 milhões de pessoas

Segundo levantamento da Acnur, a guerra na Síria continua sendo a principal causa de deslocamento forçado no planeta. Até o final de 2015, o conflito levou pelo menos 4,9 milhões de indivíduos ao exílio

O Estado de S. Paulo

20 Junho 2016 | 08h52

O ano de 2015 registrou um número recorde de refugiados no mundo, totalizando 65,3 milhões de pessoas deslocadas por guerras ou conflitos no mundo. O dado foi divulgado nesta segunda-feira, 20, no relatório “Tendências Globais” da Agência da ONU para Refugiados (Acnur).

Lançado no Dia Mundial do Refugiado, o estudo mostrou um aumento no número de deslocados em 2015 de quase 10% em comparação ao ano anterior, quando eram 59,5 milhões. Mais da metade vêm de três países: Síria, com 4,9 milhões de refugiados, Afeganistão, com 2,7 milhões, e Somália, com 1,1 milhão.

“Os números, a complexidade e duração dos conflitos de hoje significam que o deslocamento forçado atingiu um nível sem precedentes desde a fundação da própria ONU”, afirmou o Alto Comissário do Acnur, Filippo Grandi, em comunicado.

A guerra na Síria continua sendo a principal causa de deslocamento forçado no planeta. Até o final de 2015, o conflito levou pelo menos 4,9 milhões de pessoas ao exílio e deslocou outras 6,6 milhões de pessoas de seu território, o que corresponde a metade da população que vivia na Síria antes da guerra.

A pesquisa também apontou para um recorde no número de solicitações de refúgio registrado pela Acnur, chegando a 2 milhões. A Alemanha foi o país que recebeu o maior número de solicitações: 441,9 mil. Em seguida, foi os Estados Unidos, com 172 mil.

Grandi criticou o que ele chama de “paralisia política”. “Ao invés de dividir responsabilidades, nós vemos fronteiras sendo fechadas. Organizações humanitárias como a minha acabam tendo que lidar com as consequências”, destacou.

De acordo com as definições da Acnur, refugiados podem ser consideradas pessoas que foram forçadas a deixar suas casas por motivos de guerra e/ou conflito, e a se deslocar dentro do próprio país ou para outros territórios.

Atualmente, os deslocados inteiros compõem a maioria dos refugiados, chegando a 40,8 milhões. Em seguida, há os que estão alocados em outros países, que somam 21,3 milhões, o maior número de refugiados pelo mundo desde meados da década de 90.

Veja abaixo: Angelina Jolie pede ajuda para crise migratória

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.