Luis Acosta/AFP
Luis Acosta/AFP

Número de vacinados no mundo já supera total de infecções pelo coronavírus

Jornal 'Financial Times' afirma que a quantidade de doses administradas superou os 103 milhões de infecções registradas globalmente; segundo OMS, número de novos casos caiu pela terceira semana seguida

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de fevereiro de 2021 | 19h16

WASHINGTON - O número de pessoas vacinadas contra a covid-19 em todo mundo já é maior do que o total de casos confirmados desde o início da pandemia, de acordo com reportagem do jornal Financial Times. O rastreador de vacinas do jornal indica que nesta quarta-feira, 3, o número de doses administradas superou os 103 milhões de infecções registradas globalmente.

A marca representa os casos reportados oficialmente pelos países, mas, por causa da natureza fragmentada dos relatórios, é provável que o total seja maior.

"O fato de termos tantas vacinas é uma grande e boa notícia que nos foi transmitida em pedaços. Este momento reúne tudo, mostrando o quão rápido nos movemos e longe chegamos", afirmou Michael Head, pesquisador de saúde global da Universidade de Southampton.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), por sua vez, indicou nesta quarta-feira que o número de novos casos de infecção no mundo caiu em 13% na semana passada, garantindo, assim, o terceiro período consecutivo de sete dias com curva decrescente.

Entre domingo e sábado, de acordo com os dados coletados pela OMS, foram detectados 3,7 milhões de positivos, enquanto que a média das primeiras semanas de 2021 era de 5 milhões.

Segundo o painel da agência, em que são apresentados os números da pandemia da covid-19, ao todo, o planeta já teve 103,36 milhões de casos de infecção. Além disso, foram notificadas 2,24 milhões de mortes provocadas pelo novo coronavírus.

"A transmissão baixou em muitos países, mas não podemos esquecer como chegamos a isso. O preço que pagamos", disse a chefe da célula técnica para a crise sanitária na OMS, Maria Von Kerkhove, em debate transmitido pelas redes sociais.

A especialista lançou um alerta, para que não haja um otimismo excessivo diante da melhora dos números globais e que os países não cometam o erro de levantar excessivamente rápido as restrições impostas para controlar a transmissão do novo coronavírus.

Von Kerkhove recomendou que as atividades econômicas, sociais e esportivas devem ser retomadas "lentamente, de maneira controlada" e pediu para que as decisões sejam sempre com base na ciência". "Não é uma questão de dias, mas sim de semanas ou meses", afirmou a representante da agência./COM EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.