Número de vítimas da aviação civil caiu 11% em 2006

O número de pessoas que morreram em acidentes aéreos civis no mundo todo em 2006 foi de 1.292, o que representa uma queda de 11% em relação às vítimas contabilizadas em 2005, segundo dados do Escritório de Arquivo de Acidentes Aeronáuticos de Genebra.O organismo informou nesta terça, dia 2, que em 2006 houve 156 acidentes aéreos - que incluem aqueles nos quais a aeronave teve que ser retirada de operação por não ter conserto -, o que também representa uma queda de 12,35% em relação ao ano anterior.O número de acidentes foi o mais baixo dos últimos 33 anos. A organização esclareceu em comunicado que só contabiliza as aeronaves que podem transportar pelo menos seis passageiros e carga, sem incluir helicópteros.Um terço dos acidentes (32%) ocorreu na América do Norte, 18% deles, na África, 17%, na Ásia, 12%, na América do Sul, 11%, na Europa, 8%, na América Central e 2%, na Oceania.A catástrofe aérea mais grave do ano passado foi a ocorrida em 22 de agosto, quando um avião Tupolev 154 russo caiu com 171 passageiros a bordo no leste da Ucrânia.No entanto, o país no qual houve mais acidentes foram os Estados Unidos (45), seguidos da República Democrática do Congo (11), Venezuela e Sudão (6 nos dois casos), Canadá, Rússia e Colômbia (5 cada um).No que se refere ao tipo de avião acidentado, a organização afirmou que o construtor americano Boeing perdeu três aeronaves em 2006, frente aos 2 aparelhos do europeu Airbus.Entre os aviões acidentados também havia 28 Cessna, 16 Antonov, 13 De Havilland Canada, 7 Beechcraft, 7 Piper, 7 Rockwell, 6 Lockheed, 6 PZL-Mielec, 5 BAe, 4 Casa, 4 Learjet, 4 LeT, 3 Douglas, 3 Gokker, 3 Mitsubishi e 3 Tupolev.Mais uma vez, o transporte aéreo registrou um "tremendo auge", segundo a organização, que calcula em mais de 4 bilhões o número de passageiros em 2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.