Número de vítimas passa dos 700 na Argélia

Mais de 700 pessoas morreram em um forte terremoto que atingiu o norte da Argélia, segundo as agências de notícias. O primeiro-ministro argelino, Ahmed Ouyahia, disse que o número de vítimas é provisório e deve aumentar. Centenas de pessoas estão sob os escombros de casas e edifícios destruídos pelo tremor de 6,7 pontos na escala Richter, que vai até nove. Mais de 5 mil ficaram feridas. É o mais violento tremor desde 1980, quando um violento terremoto matou mais de 5 mil pessoas.O ministro do Interior, Yazid Zerhouni, disse que 10 edifícios vieram a baixo na cidade de Boumerdes e que em Baghlia um hospital ficou em ruínas. O maior número de vítimas, cem mortos, foi registrado em Rouiba, a cerca de 30 quilômetro da capital Argel.O epicentro do terremoto foi registrado na ciade de Thenia, a 60 quilômetros da capital, segundo o Centro Argelino de Investigação de Astronomia e Astrofísica. A região afetada pelo terremoto, ocorrido às 19h45 (local), se estende por um raio de 100 quilômetros a partir do epicentro. O primeiro movimento foi sentido, com pequenas pausas, durante cinco minutos e, ainda hoje, pode se observar algumas sacudidas, segundo o Instituto Nacional de Geofísica de Roma.A força do tremor foi tão grande que pequenos tremores de terra foram registrados em Liguria, no norte da Itália. ?As ondas sísmicas se moveram a uma velocidade de 7 ou 8 quilômetros por segundo?, segundo o professor de sismologia da Universidade de Gênova, Carlos Eva.Na capital argelina, pessoas saíram apavoradas às ruas. Algumas ficaram feridas. O fornecimento de energia elétrica e telefones foi interrompidos. Toda a região ficou isolada e as linhas telefônicas foram cortadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.