Número do mortos em Istambul sobe para 23

Investigadores turcos e israelenses continuam, hoje, a esquadrinhar os escombros das duas sinagogas que sofreram atentado, ontem, e policiais da inteligência turca, segundo se sabe, estão interrogando três pessoas suspeitas de trabalharem para um grupo terrorista internacional, possivelmente a al-Qaeda.A agência oficiosa de notícias Anatólia anunciou que o número de mortes causadas pelas explosões aumentou de 20 para 23, hoje, citando o Departamento de Saúde de Istambul. Mas não está claro se a relação aumentou porque foram achados mais corpos ou porque alguns dos 300 feridos morreu nos hospitais da capital.O ministro das Relações Exteriores de Israel, Silvan Shalom, voou para Istambul para prestar solidariedade à comunidade israelense da Turquia, país iminentemente muçulmano. Ele visitou hoje o chefe dos rabinos, Isak Haleva, que estava em uma das sinagogas quando foram infligidos os ataques e ficou levemente ferido. Seu filho, porém, sofreu ferimentos graves na face e pescoço e será submetido a uma cirurgia.A explosão de dois carros-bomba, em dois bairros distantes entre si cinco quilômetros, nesta metrópole predominantemente muçulmana, fez vítimas principalmente entre pessoas que estavam ou passavam na vizinhança das sinagogas do que entre os judeus que rezavam durante seu sabá.Juntas, esquipes turcas e israelenses investigam hoje os escombros das explosões atrás de possíveis ligações com a organização de Osama bin Laden. O canal de televisão NTV diz que a inteligência turca está interrogando três pessoas, incluindo duas mulheres, suspeitas de ter ligação com o ataques.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.