AP
AP

Número dois do Cartel dos Cavaleiros Templários é morto no México

Enrique "Kike" Plancarte tinha uma recompensa de US$ 765 mil sobre seu paradeiro

O Estado de S. Paulo,

01 de abril de 2014 | 10h01

CIDADE DO MÉXICO - Um dos líderes do Cartel dos "Cavaleiros Templários", Enrique "Kike" Plancarte, morreu nesta segunda-feira,1,  no México em um enfrentamento com as forças de segurança. Plancarte morreu em uma operação no estado de Querétaro, no centro do país.

Segundo o Ministério do Interior, a identidade de Enrique Plancarte está sendo identificada. De acordo com relatos da imprensa local, efetivos da Marinha mexicana estiveram envolvidos no confronto. Os militares têm participado efetivamente na luta recente contra o narcotráfico e tiveram sucesso em combates contra líderes importantes do crime organizado.

As autoridades tinham estabelecido uma recompensa de US$ 765 mil para quem oferecesse informações que levassem à prisão de "Kike" Plancarte.

Essa recompensa é um terço da quantia estabelecida para o líder máximo dos "Templários", Servando Gómez Martínez, conhecido como "La Tuta", foragido da justiça e por quem são oferecidos US$ 2,3 milhões.

Plancarte Solís, também conhecido como "La Chiva", era considerado o número 2 dos "Templários", especialmente depois da prisão, no dia 27 de janeiro, de Dionicio Loya Plancarte, conhecido como "El Tío"

A morte de Plancarte se soma a de Nazario Moreno González, conhecido como "El Chayo", que também foi morto em um enfrentamento com militares no dia 9 de março no estado de Michoacán, no sudoeste do país, local de atuação dos "Templários".

Moradores do município de Nueva Italia, na Tierra Caliente de Michoacán, afirmam que "Kike" não contava com muitos seguranças, pois passava a maior parte do tempo em localidades rurais com "El Chayo". / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Méxiconarcotráfico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.