NY: bolsas fecham em alta após ata do Fed

A ata publicada nesta quarta-feira pelo Federal Reserve, referente a sua última reunião, deu um novo fôlego às bolsas de Nova York. Com a sinalização de que o banco central norte-americano segue cauteloso com a economia e não tem pressa para elevar os juros no curto prazo, os principais índices fecharam em alta na sessão de hoje.

Estadão Conteúdo

08 de outubro de 2014 | 19h05

Os índices Dow Jones e S&P 500 encerraram o pregão com os maiores ganhos em um dia deste ano. O primeiro subiu 274,83 pontos (1,64%), para 16.994,22 pontos; e o segundo avançou 33,79 pontos (1,75%), para 1.968,89 pontos. O Nasdaq registrou alta de 83,39 pontos (1,90%), para 4.468,59 pontos.

Na ata, os dirigentes do Fed mostraram-se mais preocupados com a fraqueza do crescimento econômico fora dos EUA e com o impacto disso na economia do país, surpreendendo o mercado, que esperava um tom mais otimista.

No documento, os participantes da reunião do Fed revelaram-se receosos com a possibilidade de um crescimento decepcionante na Europa, na China e no Japão prejudicar as exportações norte-americanas. Além disso, a alta do dólar poderá manter a inflação nos EUA abaixo da meta do Fed, de 2%, por reduzir o custo de bens e serviços importados.

"A ata confirmou que o banco central norte-americano deve continuar adepto de uma política monetária acomodatícia", disse o estrategista-chefe da Wells Fargo Funds Management, Brian Jacobsen.

Entre as empresas, a Costco destacou-se ao subir 2,8%, a maior alta entre as companhias que fazem parte do índice S&P 500. O resultado foi impulsionado pela divulgação do balanço do último trimestre da empresa, que superou as expectativas mais otimistas.

Logo após o fechamento das bolsas, no after hours, as ações da companhia de alumínio Alcoa ganhavam 1,4% depois de a empresa anunciar resultados melhores que o esperado no terceiro trimestre deste ano. A Alcoa inicia informalmente a temporada de balanços nos EUA. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAbolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.